quarta-feira, 17 de maio de 2017

“Dia da Terra”, 1970: as 13 mais ridículas previsões


Por Jon Gabriel

No último sábado, 22 de abril, foi celebrado o “Dia da Terra” – um evento anual lançado pela primeira vez em 1970. As festividades inaugurais (organizadas em parte pelo então hippie e agora condenado assassino Ira Einhorn) previam morte, destruição e doença a menos que fizéssemos exatamente como os progressistas mandavam.

Soa familiar? Pois bem. Então contemple o Apocalipse que se aproxima, como previsto em e por volta no Dia da Terra, em 1970:
1.“A civilização vai acaba dentro de 15 ou 30 anos a menos que uma ação imediata seja tomada de encontro aos problemas que enfrentam a humanidade.”
Do biólogo George Wald, de Harvard.

2.“Estamos em uma crise ambiental que ameaça a sobrevivência desta nação, e do mundo como um lugar adequado de habitação humana.”
Biólgo Barry Commoner, da Universidade de Washington.

3.“O homem deve parar a poluição e conservar seus recursos, não meramente melhorar a existência mas salvar a raça da deterioração intolerable e da extinção possível.”
Editorial do jornal The New York Times.

4.“A população superará inevitavelmente e completamente todos os pequenos aumentos na produção de alimentos. A taxa de mortalidade pela fome vai aumentar até pelo menos 100-200 milhões de pessoas por ano durante os próximos dez anos.”
De Paul Ehrlich, biólogo da Universidade de Stanford.

5.“A maioria das pessoas que vão morrer no maior cataclisma da história humana já nasceram … Para 1975, alguns especialistas preveem que a escassez de alimentos aumentará o índice da fome no mundo em proporções inacreditáveis . Outros especialistas, mais otimistas, pensam que a colisão final entre alimentos e população não ocorrerá até a década de 1980.”
Também de Paul Ehrlich.

6.“Já é tarde demais para evitar a fome em massa”,
– Denis Hayes, organizador-chefe do “Dia da Terra”.

7.“Os demógrafos concordam quase unanimemente na seguinte calendário sombrio: em 1975 as pragas generalizadas começarão na Índia; que se espalharão por 1990 para incluir toda a Índia, Paquistão, China e Oriente Próximo, África. Até o ano 2000, ou concebivelmente mais cedo, a América do Sul e Central existirão sob condições de fome …. Até o ano 2000, dentro de trinta anos, o mundo inteiro, com exceção da Europa Ocidental, América do Norte e Austrália, estará em fome. “
Peter Gunter, da Universidade Estadual do Norte do Texas.

8.“Em uma década, os moradores urbanos terão de usar máscaras de gás para sobreviver à poluição do ar… em 1985, a poluição do ar terá reduzido a quantidade de luz solar que atinge a Terra pela metade”.
9.“Na atual taxa de acumulação de nitrogênio, é apenas uma questão de tempo antes de luz será filtrada para fora da atmosfera e nenhuma de nossas terras será utilizável.”
Do ecologista Kenneth Watt.

10.“Apenas a poluição do ar… certamente ceifará centenas de milhares de vidas nos próximos anos.”
Paul Ehrlich

11.“Até o ano 2000, se as tendências atuais continuarem, nós estaremos usando o petróleo bruto a tal taxa… que não haverá mais petróleo bruto. Você vai dirigir até a bomba e dizer, “completa, amigo “, e o frentista dirá:” Eu sinto muito, acabou o combustível”
Do ecologista Kenneth Watt.

12.“[Uma] teoria supõe que a cobertura de nuvens da Terra continuará a engrossar à medida que mais poeira, fumaça e vapor de água forem lançados para a atmosfera por chaminés industriais e aviões a jato. Escondido do calor do sol, o planeta vai esfriar, o vapor de água vai cair e congelar, e uma nova Idade do Gelo vai nascer.”
Da revista Newsweek.

13.“O mundo está arrepiantemente mais frio há cerca de vinte anos. Se as tendências atuais continuarem, o mundo será em torno de quatro graus mais frio para a temperatura média global em 1990, e onze graus mais frio no ano 2000. Isso é o dobro do que seria necessário para nos colocar em uma era glacial. “
Kenneth Watt
Mídia Sem Máscara

sábado, 15 de abril de 2017

O Vaticano e as Sociedades Secretas em Busca da Nova Ordem Mundial





O plano dos Mestres dos Illuminati, os criadores e principais promotores do Plano da Nova Ordem Mundial é infiltrar o Vaticano e fazer com que um de seus homens chegue a papa, torne-se líder de uma Religião Global Unificada e depois destrua a Igreja Católica e todo o cristianismo. Evidências alarmantes que esse objetivo já pode ter sido atingido e que diversos ocupantes de cargos da alta hierarquia católica sejam membros de sociedades secretas ocultistas!

Poucas pessoas compreendem por que falimos moralmente. No entanto, quando olhamos para a sociedade com os olhos de Deus, por meio da Bíblia, podemos facilmente compreender a razão de estarmos enfrentando problemas sem precedentes. O estudo da nossa sociedade por meio dos olhos de Deus é o que sempre tentaremos fazer aqui; fique conosco para aprender algumas verdades esclarecedoras.

Vimos anteriormente os vínculos entre as sociedades secretas e a implementação da Nova Ordem Mundial. Estudaremos hoje como o Vaticano está sendo controlado por essas sociedades secretas, à medida que agem para completar a Religião da Nova Ordem Mundial, que acreditam ser uma parte indispensável da Nova Ordem Mundial. Os escritos da Nova Era deixam bem claro que essa Religião da Nova Ordem Mundial, como a chamam, será uma religião ocultista, que restaurará as Antigas Religiões de Mistério da Babilônia e do Egito e que destruirá totalmente o cristianismo. O Vaticano está agora liderando a investida.
  • The Broken Cross, de Peirs Compton, 1981. Esse autor é um sacerdote católico que tornou-se totalmente desanimado com o estado atual da Igreja Católica.
  • A Conspiração Ocultista: A História Secreta dos Místicos, Templários, Maçons e das Sociedades Ocultistas, de Michael Howard, editora Campus, Série Somma, tradução para o português de Ivo Korytowski. Howard é um autor de Nova Era (leia a resenha).
  • Behold a Pale Horse, livro do autor cristão de Nova Era Bill Cooper, publicado em 1991 (leia a resenha).
Compton é um ex-editor de um jornal católico, The Universe. Ele rastreia a alegada infiltração de igreja romana pelos Iluministas. O autor é um católico tradicional e ainda praticante, que escreveu esse livro como um protesto pelo fato de a Igreja Católica abandonar seus ensinos sobre a doutrina cristã. "Há uma sensação que nossa civilização está correndo perigo mortal... A civilização declina quando a razão é virada de cabeça para baixo, quando o egoísmo e a depravação, o feio e o corrupto são promovidos como as normas das expressões sociais e culturais... quando o mal, sob diversas máscaras toma o lugar do bem."
"... Nunca antes o homem foi deixado sem um guia, uma bússola... divorciado da realidade... sem religião." [págs. 1-3].
  • Declínio na crença nos absolutos [págs. 2-3].
  • Sua prontidão para contemporizar com a perversidade neste mundo (pág. 3).
  • Pregação do humanismo em nome da caridade cristã [pág. 3].
  • Deixar de ser a inimiga inflexível do comunismo e começar a participar em diálogos de contemporização, contribuindo assim para a ruína da sociedade.
  • Abrir mão do credo em um Único Deus Verdadeiro nos céus pelo falso credo que existem muitos deuses nos céus e na Terra [pág. 3].
Compton então faz a pergunta crítica — "O que causou as mudanças na Igreja?" Após reconhecer que a maioria das pessoas naturalmente rejeita a idéia de uma "conspiração", o autor afirma:
"Vemos... a operação de um longo e deliberado esquema para destruir a Igreja a partir de dentro. Todavia, existem mais provas de todo tipo para a existência dessa conspiração do que há para alguns dos fatos comumente aceitos da história... Esquemas secretos, ocultos... dos acadêmicos... e da mente pública, foram a... força de direção de grande parte da história." [pág. 4].
"O desejo pelo domínio mundial, seja pela força das armas, da cultura ou da religião, é tão antiga quanto a história..." [pág. 5].
Após rastrear algumas tentativas da tomada do controle do papado por elementos não-cristãos, Compton começa a falar sobre Adam Weishaupt, o sacerdote jesuíta que criou os Mestres dos Illuminati. Compton diz: "... Adam Weishaupt podia ver as possibilidades diante de si com uma mente militar. Ele tinha ímpeto e visão. Conhecia o valor da surpresa, que está firmada nos segredos... Ele podia misturar a humanidade em um todo... suprimir o dogma... O estado ideal que Weishaupt tinha em mente estava... fundado no sonho impossível da perfeição humana... Em 1 de maio de 1776, a sociedade secreta que iria afetar profundamente grande parte da história subseqüente veio a existência com o nome de Illuminati". [Iluministas].
"Os Illuminati tinham um plano... decidiram em uma linha de conduta muito ambiciosa. Ela iria formar e controlar a opinião pública. Combinaria as religiões, dissolvendo todas as diferenças de crença e ritual que as mantinham separadas; tomaria o controle do papado e colocaria um agente seu no Trono de Pedro." [págs. 7-8].
Em 1818, um membro dos Illuminati, Nubius, disse que o objetivo dos Illuminati era "a aniquilação total do catolicismo e, posteriormente, de todo o cristianismo". Se o cristianismo sobrevivesse, mesmo que fosse sobre as ruínas de Roma, tempos depois, poderia renascer e viver." [pág. 13] Posteriormente, examinaremos os mesmos objetivos, conforme expressos no livro de Nova Era de Michael Howard, A Conspiração Ocultista. Compton continua a citar as explicações de Nubius sobre a necessidade de os Illuminati infiltrarem-se no papado:
Isso nada mais é do que a decisão dos Iluminati de se infiltrarem no papado. O objetivo desde o princípio (1776) era plantar umIluminista jurado no papado, sem que o povo católico saiba que isso aconteceu. Nubius então reconheceu que esse processo pode levar muitos, muitos anos. Ele previu a necessidade de infiltração e tomada do controle dos conventos e dos seminários, para ganhar as mentes das freiras e, especialmente, dos sacerdotes, que ascendem depois ao cardinalato. São os cardeais que elegem o papa. [págs. 12-15].
Como Weishaupt foi financeiramente apoiado em seus planos de estabelecer os Mestres dos Illuminati? Compton explica:
Lembre-se da nossa discussão anterior em outro artigo, sobre as iniciações realizadas na sociedade secreta norte-americana Caveira e Ossos, da qual o ex-presidente George Bush é membro? [Nota de A Espada do Espírito: Veja os detalhes lendo o artigo Sociedades Secretas Mataram o Senhor Jesus Cristo, Parte 2 de 2] Ela também realiza suas iniciações em uma cripta, no meio da noite.
"A força peculiar das sociedades secretas sempre foi o segredo... Algumas vezes elas tinham um significado ocultista afetado, que... geralmente levava-os a introduzir... ritos absurdos e desagradáveis de iniciação. Havia um círculo de Iluministas que persuadia os candidatos a entrar em uma banheira com água... puxando-os por meio de um cordão que era amarrado em seus genitais... Era essa obsessão sexual pervertida que fez alguns dos discípulos de Weishaupt se submeterem à autocastração." [pág. 11].
Trevor Ravenscroft, em seu livro The Spear of Destiny [leia a resenha] informa que o último ato oficial de Eckart, da Sociedade de Thule, foi castrar magicamente Adolf Hitler. Esse ritual teve o efeito de tornar Hitler em um dos maiores assassinos sadistas da história. Bill Cooper, em seu livro Behold a Pale Horse, diz que a sociedade Caveira e Ossos inicia seus membros por meio de uma fita colocada em volta de seus genitais. Isso novamente vincula os Mestres dos Illuminati, a Sociedade de Thule e a Caveira e Ossos.
Compton registra mais da influência ocultista dos Mestres dos Illuminati: "... Alguns ritos e símbolos derivavam de um significado inegável daquilo que geralmente é chamado Magia Negra, ou da invocação de um poder satânico cuja potência é como um raio sinistro..."
"Por meio dos símbolos... um homem é guiado e comandado... Os Iluministas faziam uso de... uma pirâmide, outriângulo, que há muito tempo é conhecido entre os iniciados como um sinal da fé mística, ou solar. No topo da pirâmide, ou algumas vezes, na base, havia, ou na verdade, ainda há, a imagem de um olho humano separado, que é chamado de olho aberto de Lúcifer, a estrela da manhã..."
E quando isso aconteceu? Em 1976, exatamente 200 anos após Weishaupt iniciar seu plano de infiltrar o papado, colocando um Iluminista como papa. Compton continua:
O autor cristão de Nova Era, Bill Cooper, confirmou esse fato chocante para mim em uma conversa telefônica.
"O Olho, que pode ser rastreado até os adoradores da lua na Babilônia, ou astrólogos, veio a representar a Trindade Pagã Egípcia de Osíris, o sol; Ísis, a deusa da lua; e o filho deles, Hórus..." [págs. 11-12].
A pirâmide e o Olho Que Tudo Vê são realmente antigos símbolos ocultistas. O livro satânico Magic Symbols [Símbolos Mágicos], demonstra claramente esse fato na página 140-141. Para comprovar o fato que a Igreja Católica Romana tinha utilizado o Olho Que Tudo Vê e a Pirâmide em seus escritos, viajei até Filadélfia, na Pensilvânia, e visitei o Seminário Católico de São Carlos. Na Biblioteca Memorial Ryan, encontrei um livro intitulado Symbols in the Church (Símbolos na Igreja). Os autores descrevem o propósito do livro, "Este livro tem o objetivo de orientar os artistas e artífices eclesiásticos de todos os gêneros... que estejam interessados... na decoração das igrejas e dos objetos litúrgicos..." Em outras palavras, era um livro oficial dos símbolos autorizados que poderiam ser usados para criar literatura ou obras pictóricas que seriam aceitáveis para a liderança católica romana. Assim, fiquei chocado ao descobrir o Olho que Tudo Vê dentro de uma pirâmide, na página 27. Esse Olho Que Tudo Vê estava na seção de símbolos que representam Deus, o Pai. No entanto, esse símbolo não era o símbolo pagão de Deus olhando dos céus para os assuntos humanos; em vez disso, era o símbolo pagão do homem aperfeiçoando-se para chegar aos céus. Era o símbolo dos Mestres do Illuminati, em um livro oficial de arte da Igreja Católica Romana!!
Isso confirmou que Pierre Compton estava absolutamente correto, os Iluministas estavam infiltrados na Igreja Católica. Mas, ao estudar esse livro dos símbolos católicos, fiquei chocado ao ver que havia muitos símbolos que os católicos estavam usando que eram ou diretamente copiados daqueles encontrados no livro dos símbolos satânicos, Magic Symbols, ou que tinham sido modificados apenas ligeiramente. O tempo não nos permite examinar todas essas ocorrências agora, mas voltaremos a um estudo futuramente.
Assim, desde o início do século 19, os Iluministas e a Maçonaria começaram a se infiltrar na Igreja Católica Romana, começando inicialmente a infiltração pelos seminários e colégios, colocando sacerdotes e freiras que eram secretamente iluministas. O objetivo final era conquistar o Colégio de Cardeais e, em seguida, o papado. Por volta de 1846, já havia sido feito um progresso suficiente na infiltração da Igreja Católica, desse modo enfraquecendo-a a partir de dentro, e os Iluministas sentiram que era hora de criar a Força de Antítese que batalharia contra a Força Ocidental da Tese, liderada pelos EUA. A batalha entre essas duas forças produziria no fim o desejado Sistema de Síntese, a Nova Ordem Mundial. Compton registra como esse novo Sistema de Antítese foi criado.
"Em 1846, havia uma sensação de mudança no ar, uma mudança que seria estendida além das fronteiras da Igreja e transformaria muitas facetas da existência... Dois anos mais tarde, um corpo altamente secreto de inicia dos, que chama a si mesmo de Liga dos Doze Justos dos Illuminati, financiou Karl Marx para escrever o Manifesto Comunista..." [pág. 16].
Esse fato histórico também é citado por Ralph Epperson em seu livro The Unseen Hand (A Mão Invisível), e por Anthony Sutton, em seu livro Wall Street and the Bolshevik Revolution (Wall Street e a Revolução Bolchevique). A maioria das pessoas fica chocada com esse conceito por três simples razões: Primeiro, nossos livros de História tiveram o cuidado de nos ensinar que a história é apenas uma série de acidentes não-relacionados e não o resultado de uma conspiração. Segundo, muitos de nós não conseguem compreender que seres humanos possam executar um plano global para dominação por um período tão extenso de tempo. Terceiro, a maioria das pessoas ainda acredita, ingenuamente, que nossos representantes eleitos exercem seus mandatos com nossos melhores interesses em vista.
No entanto, o ofício religioso do papado estava fora do controle deles. Neste ponto, devemos lembrar que o papado e toda a Igreja Católica Romana estavam sendo fatalmente enfraquecidos pela inclusão de falsas doutrinas pagãs. Era somente uma questão de tempo antes que os Iluministas pudessem derrubar o papado, implantando um de seus homens. O papado estava condenado a cair como uma árvore que tinha sido apodrecida ao longo de séculos, antes de subitamente cair sob o ímpeto de um vento persistente. Esse objetivo de infiltrar Iluministas no Vaticano é melhor detalhado em um livro ocultista intitulado A Conspiração Ocultista, de Michael Howard. Os livros ocultistas sempre são muito instrutivos, pois os autores não têm nada a esconder e porque muitos escrevem sob a influência de seus "espíritos-guia" Ademais, os ocultistas são muito abertos sobre essa conspiração.
O objetivo supremo dos Iluministas de colocar um de seus homens como papa não foi bem-sucedido até o início dos anos 60, quando o Concílio Vaticano II foi convocado. Compton diz:
"Os liberais ou progressistas, seguros por terem trazidos os desígnios das sociedades secretas a uma conclusão bem sucedida, estavam exultantes... Todo o mundo da religião estava agora permeado por sua influência..." [pág. 62].
"Em menos de uma década, a Igreja tinha sido transformada de uma inimiga implacável do comunismo em um advogado ativo e poderoso da co-existência com Moscou e com a China. Ao mesmo tempo, mudanças revolucionárias nos ensinos mantidos por séculos moveram Roma mais para perto daquele neopaganismo humanista, do Conselho Nacional de Igrejas [EUA] e do Conselho Mundial de Igrejas". [págs. 62-63].
"Quando os efeitos do Concílio Vaticano II tornaram-se aparentes, o bispo de Regensburg foi levado a observar que as principais idéias da Revolução Francesa, "que representam um importante elemento no Plano de Lúcifer, estava sendo adotado em muitas esferas do catolicismo". Embora conduzido grandemente atrás dos bastidores... a luta entre a Igreja e as sociedades secretas tinha sido mais amarga e prolongada que qualquer conflito internacional..." [pág. 75].
Agora que o Concílio Vaticano II tinha implementado o Plano de Lúcifer, como o bispo de Regensburg observou, "restava conjugar uma visita verdadeiramente histórica com um rito iniciatório que colocasse um selo nessa recém-admitida realização..." Assim, "o papa Paulo VI, em 4 de outubro de 1965, visitou a Assembléia das Nações Unidas. " [pág. 67] e proferiu um discurso em que "propagou o evangelho social tão querido pelos revolucionários, sem uma única referência às doutrinas religiosas que eles achavam tão perniciosas." [pág. 68].
Após o discurso, o papa Paulo VI foi levado à Sala de Meditação das Nações Unidas. "Um boletim, cuidadosamente editado, que supostamente discutia o significado e propósito da sala, foi produzido pela Lucis Press, que publica material impresso para as Nações Unidas." O fato de a Lucis Press ser a editora que publica e dissemina materiais para as Nações Unidas é uma indicação devastadora da natureza de Nova Era e satânicas da ONU. A Lucis Trust foi fundada em 1922, originalmente com o nome de Lucifer Trust, por Alice Bailey, como uma firma editorial para disseminar os livros de Alice Bailey e de Helena Blavatsky. Em 1923, Bailey alterou o nome da editora para Lucis Trust, pois Lucifer Trust revelava de forma clara demais a verdadeira natureza do movimento de Nova Era. [Constance Cumbey, The Hidden Dangers of the Rainbow (leia a resenha), pág. 49] Uma rápida visita a uma livraria especializada em livros de Nova Era, revela que a Lucis Trust publica muitos livros ocultistas.
Esse ritual de iniciação ocultista do papa Paulo VI na Sala de Meditação das Nações Unidas "representou o estágio inicial de um esquema, o cumprimento do qual seria... a construção do Templo da Compreensão, em uma área de cinqüenta acres perto do rio Potomac, em Washington DC... O propósito subjacente do Templo era revelado claramente por seu... Olho Que Tudo Vê... que representava as seis fés mundiais — budismo, hinduísmo, islamismo, judaísmo, confucionismo e cristianismo. "O palco está assim armado para a formação e anúncio da Religião da Nova Ordem Mundial. Essa nova religião será uma combinação de todas as religiões do mundo, o que representa os sinos do enterro para o Isolamento do Verdadeiro Cristianismo. As palavras de Jesus: "Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." [João 14:6] significam que nenhuma outra religião, inclusive a Religião da Nova Ordem Mundial pode oferecer o caminho ao céu. Satanás terá obtido uma grande vitória e o palco estará armado para o desdobramento dos eventos previstos no livro do Apocalipse.
Agora, considere o próximo passo do papa Paulo VI. "Ele também fazia uso de um símbolo sinistro, criado pelos satanistas no século VI, que tinha sido revivido ao tempo do Concílio Vaticano II. Esse símbolo era a cruz vergada, em que era exibida uma figura repulsiva e distorcida de Cristo, que os feiticeiros e praticantes de magia negra na Idade Média fizeram para representar o termo "Marca da Besta". No entanto, não apenas Paulo VI, mas seus sucessores, os dois papas João Paulo carregavam esse objeto e o seguravam para ser reverenciado pelas multidões, que não tinham a menor idéia que representava o Anticristo. [pág. 72] Na página 56, Compton imprime uma foto do papa atual, João Paulo II, segurando essa cruz vergada.
Quão chocante que um papa católico romano possa utilizar um objeto satânico conhecido, que representa o Anticristo, e fazer os fiéis na multidão se ajoelharem diante dele e reverenciá-lo! Isso nos faz lembrar da profecia em Apocalipse 13:12, que ele [o Falso Profeta] fará aqueles que habitam na Terra adorarem ao Anticristo.
O papa Paulo VI compareceu ao Estádio Yankee "vestindo uma alva", um traje antigo... vestido por Caifás... que pediu a crucificação de Cristo." (Ibidem).
Em certa manhã de verão, os jovens seminaristas católicos ficaram grandemente alarmados por uma revelação em um jornal chamado "Borghese... pois trazia uma lista detalhada de clérigos, alguns dos quais ocupavam posições de destaque, que, dizia-se, eram membros de sociedades secretas. Era uma notícia inacreditável, pois... os alunos conheciam a Lei Canônica 2335, que proíbe expressamente que um católico ingresse em qualquer sociedade secreta, sob pena de excomunhão... e a Lei Canônica 2336, que prescreve medidas disciplinares a serem impostas contra qualquer clérigo que venha a aderir a uma sociedade secreta. Michael Howard, autor de A Conspiração Ocultista: A História Secreta dos Místicos, Templários, Maçons e das Sociedades Ocultistas, fala a respeito dessa mesma lista, mas vai além, revelando que a maioria desses altos funcionários eram membros da Maçonaria. [pág. 191]. Howard afirma que alguns desses funcionários graduados do Vaticano eram:
  • O secretário particular do papa Paulo VI
  • O diretor-geral da Rádio Vaticano
  • O arcebispo de Florença
  • O prelado de Milão
  • O editor-assistente do jornal do Vaticano
  • Sete bispos italianos
  • O abade da Ordem de São Bento.
Os alunos ficaram chocados com essa revelação, pois diversas bulas papais tinham sido promulgadas contras as sociedades secretas.
Esse artigo foi negado com veemência por um escritor em L´Aurora, M. Jacques Plonchard, que assegurou que nenhum prelado tinha sido afiliado a uma sociedade secreta desde 1830. Entretanto, investigadores determinados, alguns apresentando-se como membros do Governos, obtiveram acesso ao Registro Italiano das Sociedades Secretas e compilaram uma lista de cardeais, arcebispos e bispos que eram membros de sociedades secretas. Essa lista incluía 125 prelados. Em seguida, Compton relaciona esses nomes nas páginas 78-84. Ele diz: "O Registro Francês das Sociedades Secretas é melhor guardado do que o italiano, de modo que os detalhes das iniciações recentes não podem ser citados. A lista mais sustentada de clérigos que pertencem às sociedades secretas francesas cobre algumas décadas anteriores à Revolução Francesa (1785) e chegava [então], mesmo em um tempo em que a infiltração da igreja por seus inimigos estava em uma escala menor que logo seria atingida, a algo em torno de 256 membros."
O palco ficou armado para a plena aprovação papal da participação em sociedades secretas. Em 27/11/1983, o papa João Paulo II promulgou uma bula que legalizou a participação dos católicos romanos nas sociedades secretas.
Agora podemos compreender como o papa João Paulo II, com uma cara tão limpa, pode exibir a cruz vergada ocultista. Agora podemos compreender como ele pode buscar com afinco o domínio da Nova Ordem Mundial, conforme garante Malachi Martin em seu livro The Keys of this Blood [leia a resenha]. Martin é um sacerdote jesuíta aposentado, que lecionou no Pontifício Instituto Bíblico do Vaticano.
Finalmente, após mais de 200 anos, a sociedade secreta Mestres dos Illuminati — os originadores da Nova Ordem Mundial, alcançaram um de seus principais objetivos, a infiltração de um de seus homens como Sumo Pontífice da Igreja Católica Romana. Esse marco ocorreu, como já dissemos, no início dos anos 60, com a ascensão de Paulo VI ao papado. Esse período de tempo também encaixa-se com o período geral de degradação espiritual e apostasia que observamos em programas anteriores e nos nossos Seminário em fita cassete. Interessantemente, o autor cristão de Nova Era, Bill Cooper, em seu livro Behold a Pale Horse [leia a resenha], afirma: "Em 1952, uma aliança foi formada trazendo... juntos pela primeira vez na história: As Famílias Negras (nobreza européia, que historicamente sempre praticaram o espiritismo e o ocultismo), Os Illuminati, o Vaticano e a Maçonaria, agora trabalhando em conjunto para implementar a Nova Ordem Mundial." [pág. 80].
Hoje, é muito evidente que o papa João Paulo II é um Iluminista. Podemos ver isso concretamente pelo uso da cruz vergada. Podemos ver isso por seus discursos em favor do programa da Nova Era e por suas muitas viagens internacionais. No entanto, a confirmação final para nós ocorreu em 1990, quando participei de um seminário de quatro horas de duração em Boston, ministrado pelo diretor da Casa da Teosofia na Nova Inglaterra. Ele afirmou que no momento certo na história mundial, o papa viajará a Jerusalém para presidir uma Conferência Espiritual Ecumênica. Nessa conferência, o papa anunciará que todas as religiões do mundo estão agora unificadas. Assim, disse o diretor, a Religião da Nova Ordem Mundial está estabelecida. Essa informação, dada por um homem que conhece perfeitamente os planos dos Illuminati, porque trabalha com eles, revela que o Plano prevê que o papa católico romano será o líder da Religião da Nova Ordem Mundial.
  1. O plano para substituir o papa católico por um Iluminista foi atingido, após 200 anos.
  2. O papa católico romano provavelmente será o Falso Profeta descrito no livro do Apocalipse.
Finalmente, acrescente a isso o fato que os líderes-chave no Plano da Nova Ordem Mundial já identificaram publicamente o papa católico romano como o planejado líder da Religião da Nova Ordem Mundial. Esse será o papel do Falso Profeta, que trabalhará com o Anticristo para enganar o mundo e que terá os mesmos poderes ocultistas que o Anticristo.


Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.
Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.
Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.
Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia-a-dia.

 

domingo, 18 de setembro de 2016

Alguém está aprendendo como derrubar a Internet

ddosattack
O tamanho e a escala desses experimentos – e especialmente a sua persistência – apontam para governos.

Durante este ano e talvez também durante o ano passado, alguém vem pondo à prova as defesas das empresas responsáveis por manter em funcionamento pontos críticos da internet. Esses experimentos vêm na forma de ataques bem calibrados, concebidos para verificar com exatidão a capacidade de defesa dessas empresas e o que seria necessário para derrubá-las. Não sabemos quem está fazendo isso, mas tudo indica que seja um país de grande porte. China ou Rússia seriam meus primeiros candidatos.


Antes de mais nada, uma pequena contextualização. Se você quer derrubar uma rede da internet, o modo mais fácil é por meio de um ataque de negação de serviço distribuído (DDoS – Distributed Denial of Service). Como o nome diz, é um ataque concebido para impedir que usuários legítimos tenham acesso ao site. Há algumas sutilezas, mas basicamente significa enviar uma quantidade muito grande de dados para o site de modo a congestioná-lo. Esses ataques não são novos: hackers fazem isso com sites dos quais não gostam e criminosos têm usado essa técnica como forma de extorsão. Há todo um setor da economia, com um arsenal de tecnologias, dedicado à defesa de DDoS. Mas trata-se basicamente de uma problema de largura de banda. Se o atacante tiver um poder de fogo maior do que o do defensor, o atacante ganha.


Recentemente, algumas das maiores empresas que fornecem a infraestrutura básica que mantém a internet funcionando notaram um aumento de ataques DDoS contra elas. O pior de tudo é que elas perceberam um certo perfil nos ataques. Esses ataques são significativamente maiores do que os que elas estão acostumadas a sofrer. Duram mais tempo. São mais sofisticados. E parecem experimentos. Numa semana, por exemplo, o ataque pode começar num determinado nível de força e ir aumentando lentamente antes de parar. E assim continua, com essas características, como se o atacante estivesse procurando pelo ponto exato de falha.
Os ataques também são configurados de forma a mapear todas as defesas da empresa. Há inúmeros modos de lançar um ataque DDoS. Quantos mais vetores de ataque o atacante empregar simultaneamente, mais defesas diferentes o defensor tem de empregar para contê-los. Essas empresas têm notado um número maior de ataques com três ou quatro vetores diferentes. Isso significa que as empresas têm de usar todos os recursos de que dispõem para se defender. Elas não podem esconder nada. São forçadas a mostrar a sua capacidade de defesa ao atacante.

Eu não posso dar detalhes porque essas empresas falaram comigo sob a condição de anonimato. Mas tudo isso é consistente com o que a Verisign tem relatado. A Verisign mantém o registro de muitos domínios de topo mais usados da internet – como .com e .net. Se ela for derrubada, haverá um blackout global de todos os websites e endereços de e-mail na maior parte dos domínios de topo comuns. A cada trimestre, a Verisign publica um relatório de tendências de ataques DDoS. Embora essa publicação não tenha o nível de detalhe que obtive das empresas com as quais conversei, as tendências são as mesmas: “no segundo trimestre de 2016, os ataques continuaram, tornando-se mais frequentes, mais persistentes e mais complexos”.

Há mais ainda. Uma empresa me falou sobre a variedade de ataques de verificação, além dos ataques DDoS: ataques testando a capacidade do defensor de manipular endereços e rotas da internet, visualizando quanto tempo o defensor demora para responder, e assim por diante. Alguém está testando exaustivamente as capacidades de defesa essenciais das empresas que fornecem os serviços críticos da internet.
Quem faria isso? Não parece trabalho de ativista, criminoso ou pesquisador. Mapear a infraestrutura básica é uma prática comum em espionagem e de serviços de inteligência. Não é normal que empresas façam isso. 

Além disso, o tamanho e a escala desses experimentos – e especialmente a sua persistência – apontam para governos. Parece um cibercomando militar de um país tentando calibrar o seu armamento para o caso de uma ciberguerra. Isso me lembra o programa americano da Guerra Fria, com aviões sobrevoando a União Soviética a alta altitude para forçar a ativação dos sistemas de defesa aérea soviéticos a fim de mapear a sua capacidade.

O que podemos fazer? Na realidade, nada. Não sabemos de onde os ataques vêm. Os dados que eu tenho sugerem a China, a mesma avaliação das pessoas com quem conversei. Por outro lado, nesses tipos de ataques é possível dissimular o país de origem. A NSA, que tem mais vigilância no backbone da internet do que todo mundo junto, provavelmente tem uma ideia melhor mas, a menos que os EUA decidam causar um incidente internacional, não veremos nenhuma manifestação por parte do governo americano.
Mas isso está acontecendo. E as pessoas devem saber.

https://www.schneier.com/

Artigo
publicado originalmente no Lawfare.com.

Tradução: Ricardo Hashimoto

domingo, 28 de agosto de 2016

O verdadeiro propósito do ambientalismo

Por Ben Velderman

Se por acaso pensas que o propósito final do movimento ambientalista é o de parar com as "mudanças climáticas causadas pelo ser humano", levando a que as pessoas conduzam carros elétricos taxando as empresas devido às suas emissões de carbono, então tens que rever o que pensas. 
Um documentário recente revela que os planos dos "tree-huggers" [literalmente, "abraçadores de árvores"] é o de "salvar o planeta" reduzindo de modo drástico a população humana - talvez até 90% da população humana.


“The War on Humans” [A Guerra Contra os Humanos] é um filme de 30 minutos produzido pelo "Discovery Institute", grupo de reflexão sediado em Seattle [EUA] que lida com tópicos tais como a ciência, a cultura e a bioética. No filme, o diretor John West revela o lado sombrio do ambientalistas extremistas Americanos, que rejeitam a ideia do ser humano ter um lugar especial na natureza, acima dos "animais não-humanos".


Mais propriamente: os extremistas acreditam que o ser humano é a "praga do planeta" e que a única cura possível é um gigantesco despovoamento. Para atingir este plano ambicioso, os radicais desenvolveram uma estratégia a longo plano, tal como o filme "War on Humans" revela.

A Fase Um é composta por propaganda feita com o propósito de levar as pessoas - especialmente as crianças em idade escolar e os universitários - a aceitar a premissa de que os seres humanos não são inerentemente melhores que as outras espécies [ed: daí a importância da teoria da evolução], e de que facto, os humanos podem até ser piores visto às suas ações egoístas são responsáveis por destruir o planeta.

Para atingir esse fim, os ambientalistas têm usado o sistema educacional da nação como forma de convencer a geração seguinte de que a atividade humana é a causa única para as alterações climáticas. Eles têm também comunicado a mensagem de que "os humanos estão a destruir o planeta" através de filmes tais como o recente filme "Noé" (2014). O propósito aparente é o de levar a geração seguinte a pensar duas vezes antes de fazer filhos.

Ao fazer duma vida sem filhos algo "moderno", em voga e ambientalmente "responsável", os ambientalistas radicais acreditam que podem atingir os seus planos de despovoamento mundial através da atividade voluntária. (Isto explica também a obsessão contínua dos progressistas pela expansão do acesso à pílula, particularmente através do assim chamado Affordable Care Act.)

Dar aos animais o direito de processar

A Fase Dois do plano dos extremistas é onde o filme “The War on Humans”fixa a maior parte da sua atenção, explicando que o esforço para atingir o despovoamento depende dos tribunais Americanos darem aos animais e à natureza direitos constitucionais.

Eis como as coisas funcionam: Se os extremistas conseguirem convencer os juízes de que os animais têm os mesmos direitos que os seres humanos - provavelmente fundamentando esta posição no facto deles sentirem dor ou terem algum tipo de auito-consciência - então os animais terão posição legal nos tribunais, e a habilidade de processar (claro que com a ajuda dos seus "amigos" humanos) como forma de ver os seus "direitos" protegidos.

Tais acções legais podem fechar fazendas e todas as atividades relacionadas com animais, e podem impedir o desenvolvimento de terras - para habitação, uso industrial ou produção de energia - com o fundamento de que iria matar animais e arruinar os seus habitats.

Mesmo que os ambientalistas não sejam bem sucedidos nas suas ações legais, o custo da litigação pode levar os agricultores e os fabricantes à bancarrota - ou elevar o custo dos seus produtos o que os tornará menos apelativos para os consumidores.

Isto resultará na danificação e na diminuição da economia Americana. Os custos de vida aumentarão de modo brutal, o que tornaria financeiramente impossível a educação duma família grande - ou até mesmo duma família pequena. Dito de outra forma, a miséria econômica causada pelas ações legais centradas nos "interesses dos animais" iriam suprimir a reprodução humana, e, desde logo, avançado os propósitos de despovoamento dos ambientalistas radicais.

Isto pode ter a aparência de conspiração forçada, mas, tal como o filme “The War On Humans”ressalva, mais de 100 das melhores faculdades de Direito têm clínicas de advocacia dos direitos dos animais. Isto é um bom indicador de que o movimento que visa conferir uma posição legal aos animais crescerá e tornar-se-á ainda mais poderoso nos anos que se aproximam.


Um desses esforços está atualmente a ser levado a cabo no sistema judicial de New York.

O "The Independent" reporta que em Dezembro último Steven Wise, advogado centrado nos "direitos dos animais" e líder do "Nonhuman Rights Project", “solicitou citações de habeas corpus - usados para se obter a liberdade de quem foi ilegalmente detido - em nome de 4 chimpanzés do estado de New York”. Se Wise for bem sucedido, escreve o The Independent, isso "enviará ondas de choque legais por todo o mundo". 

Wise diz que continuará a dar entrada a este tipo de ações legais até que um juiz confira direitos constitucionais aos animais - e, por extensão, à natureza.

Ensinem bem as vossas crianças

John West, diretor do filme "The War On Humans", diz à EAG news que a melhor maneira dos Americanos resistirem estes esforços destrutivos é o de explicar aos filhos o perigo do extremismo ambientalista. "As pessoas com mais de 35 ou 40 anos tendem a assumir que os seres humanos são únicos e dignos de respeito", diz West, acrescentando que isto faz parte do legado dos movimento pelos Direitos Civis.

No entanto, diz West, há u crescente contingente de Americanos abaixo dos 3 anos que está a reverter a ideia da posição única do ser humano - acima de todas as outras formas de vida.

Muitos destes jovens não aceitam ouvir as críticas aos ambientalistas radicais porque foram enganados por Hollywood e pelo sistema de ensino, e levados a acreditar que quem quer que se oponha ao movimento "verde" e às suas políticas não se preocupa com a proteção do planeta, e nem quer tratar os animais duma forma humana. West afirma que os pais têm que explicar as filhos que esta é uma falsa escolha:
Os pais têm que ser proativos e começar a discutir estas coisas com os filhos. Não assumam que os vossos filhos terão os mesmos pontos de vista e o mesmo senso comum que vocês têm. Os pais acreditam que através da osmose, os seus filhos irão ter a mesma visão que eles. Não, eles não terão.
Os pais têm que separar algum tempo para partilhar as suas crenças com os seus filhos, e serem capazes de responder às suas questões. West diz que isto irá desenvolver habilidades de pensamento crítico nos filhos - que eles irão precisar para navegar através de toda a propaganda ambientalista que irão encontrar na escola secundária e na universidade.

A cena do filme mais apreciada por West mostra humanos a salvar um cão que havia caído através de gelo para dentro de água gelada:

O facto de pessoas terem tencionado salvar um cão diz muito do ser humano. Eles tomaram a decisão consciente de salvar um membro de outra espécie, algo que nenhum outro animal faz. Isto é a marca do ser humano e isso revela o quão únicos nós somos.

O filme “The War on Humans” pode ser visto no YouTube, e o mesmo é baseado no eBook de Wesley Smith com o mesmo nome; o livro pode ser comprado através da Amazon.com.

Phonte: http://bit.ly/1mRKPRj

* * * * * * *

Como se não fosse suficientemente mau o facto do ambientalismo radical ser uma ideologia que ataca a própria existência da espécie humana, ficamos a saber entretanto que um dos mais famosos grupos ambientalistas do mundo, a Greenpeace, é financiada pela família Rockefeller, algo confirmado mais tarde pela própria Greenpeace.

Ou seja, os ambientalistas afirmam combater o "capitalismo" e as "companhias petrolíferas" ao mesmo tempo que recebem elevadas somas de dinheiro de famílias capitalistas e entidades petrolíferas.

Para além disso, a PETA, organização que alegadamente "defende" os "direitos" dos animais, mata 95% dos animais ao seu "cuidado". Urge perguntar: o que é que eles fazem com os donativos? Resposta:mais ou menos o mesmo que todo o líder esquerdista faz com o dinheiro que os idiotas úteis lhes enviam, isto é, guardam para si, e pouco ou nada fazem em favor da causa que gerou o donativo.

Conclusão:

O ambientalismo, tal como todas as ideologias da Nova Esquerda, nada mais é que uma fachada dos mesmos grupos globalistas que há décadas tentam "unificar" o mundo sob o domínio de algumas poderosas famílias dinásticas e poderosos grupos financeiros.

O ambientalismo de maneira nenhuma está envolvido com o bem estar dos animais, da mesma forma que o feminismo não está minimamente relacionado com os interesses genuínos das mulheres, e da mesma forma como o ativismo homossexual não reflete o que a maioria dos homossexuais quer. 
Todas estas ideologias são fachadas que a Esquerda militante usa para levar a cabo o plano de Antonio Gramsci e da Escola de Frankfurt de subversão cultural (destruição da civilização Ocidental).

Fonte: Marxismo Cultural

sábado, 30 de julho de 2016

União Europeia: uma perversidade econômica e moral

União Europeia: uma perversidade econômica e moral

http://foda-seoestado.com/wp-content/uploads/2016/07/euro.jpg

Um entrevista com Hans-Hermann Hoppe para o semanário polonês Najwyższy Czas!

Qual é a sua leitura da Europa Ocidental atual e, particularmente, da União Europeia?
Atualmente, todos os grandes partidos políticos da Europa Ocidental, independentemente dos seus nomes e de seus programas partidários, estão essencialmente comprometidos com a mesma ideia, o socialismo democrático. Eles usam as eleições democráticas para legitimar a tributação de pessoas produtivas em benefício daquelas que são improdutivas. Eles taxam as pessoas, que ganharam seus salários e acumularam riqueza através da produção de bens e serviços, adquiridos voluntariamente por consumidores (e, é claro, especialmente os mais “ricos” dentre estes), e depois eles redistribuem o produto deste saque entre eles mesmos, ou seja: o estado democrático que eles controlam, ou esperam controlar, e os seus diversos aliados políticos, seus partidários e potenciais eleitores.
Eles não designam essa política pelo seu nome apropriado: a punição dos produtivos e a gratificação dos improdutivos, é claro. Isso não seria algo muito popular. No lugar disso, eles batem na tecla do sempre popular sentimento de inveja e alegam cobrar impostos dos poucos “ricos” para poder manter os tantos “pobres”.  No entanto, a verdade é que essa política leva mais e mais pessoas produtivas a ficarem mais pobres, enquanto que um sempre crescente número de pessoas improdutivas fica mais rico.

Mas e a União Europeia?
Quando olhamos para a União Europeia vemos que a coisa fica ainda pior. A União Europeia é o primeiro passo para a criação de um super-estado europeu e, por fim, de um governo mundial, dominado pelos EUA e seu banco central, o FED. Desde os seus primórdios e apesar de todas as pomposas declarações contrárias, a União Europeia nunca teve a ver com livre comércio e competitividade. Caso fosse este o caso, não haveria nenhuma necessidade de centenas e centenas de páginas de regras e regulações! Muito pelo contrário, o propósito central da União Europeia, apoiada o tempo todo pelos EUA, sempre foi o enfraquecimento da Alemanha como carro chefe da economia europeia. Para viabilizar isso, a Alemanha foi arrastada para uma onda de culpa que não parece ter fim e, então pressionada a transferir cada vez mais a sua já limitada soberania (em comparação com os EUA) para a União Europeia em Bruxelas. É especialmente digno de nota que a Alemanha esteja perdendo a sua soberania monetária e que esteja abandonando a sua moeda tradicionalmente “forte”, o marco alemão, em favor do euro “fraco”, emitido pelo Banco Central Europeu (BCE), composto em sua esmagadora maioria pelos banqueiros centrais politicamente conectados dos países que possuem tradicionalmente moedas “fracas”.
A União Europeia, portanto, se caracteriza por três dos seguintes elementos:
  • Primeiro: a harmonização entre a estrutura de tributação e regulação ao longo de todos os países-membros, com o objetivo de reduzir a competição econômica e especialmente a competição de impostos entre os diferentes países, tornando todos os países igualmente não competitivos.
  • Segundo: além da perversidade econômica e moral de cada país ao punir os produtivos e subsidiar os improdutivos, adiciona-se uma nova camada de redistribuição internacional de renda e riqueza. Agora os países com melhor performance econômica, como a Alemanha e aqueles do norte da Europa, são punidos, enquanto se recompensa os países com performance pior do ponto de vista econômico (a maioria do sul do continente), tornando, portanto, a performance econômica de todos os países igualmente pior.
  • E, terceiro, de importância cada vez maior, especialmente durante a última década: de forma a superar a crescente resistência, em diversos países, contra a transferência de soberania para Bruxelas, que vem aumentando em ritmo constante, a União Europeia está em uma cruzada com objetivo de erodir e, por fim, destruir, todas as identidades nacionais e toda a união cultural e social que existe nos diversos países. A ideia de nação e de identidades nacionais e regionais vem sendo ridicularizada enquanto o multiculturalismo é aclamado como uma “bênção” inquestionável. Assim como a promoção da garantia de privilégios legais e de “proteção especial” a todos, exceto aos homens brancos, heterossexuais e, especialmente, aos homens casados e com famílias (que são pintados como “opressores” históricos e portadores de dívidas a serem compensadas, com todas as outras pessoas, suas “vítimas” históricas.) – eufemisticamente chamadas de políticas “antidiscriminação” ou “afirmativas” – minando sistematicamente a ordem social natural. A normalidade é punida, enquanto se premia a anomalia e o desvio.

Podemos dizer então que os políticos da União Europeia são ainda piores que aqueles que operam os assuntos nacionais?
Sim e não. Por um lado, todos os políticos democráticos, sem exceção, são demagogos desinibidos moralmente. O título de um de meus livros em alemão é “A competição dos pilantras”, o que capta a essência do que a democracia e os partidos políticos democráticos são.  Nesse aspecto há muito pouca ou nenhuma diferença entre as elites políticas de Berlim, Paris, Roma etc., e aqueles que estão comandando o show em Bruxelas. De fato as elites da União Europeia são tipicamente compostas de políticos que já foram, com a mesma mentalidade dos seus pares domésticos, em busca de salários extremamente extravagantes, benefícios e pensões amplamente distribuídos pela UE.
Por outro lado, as elites da UE são piores que os seus camaradas políticos nacionais, é claro, no sentido de que as suas decisões e regras prejudicam um número significativamente maior de pessoas.

Então qual é a sua previsão para o futuro da UE?
A UE e o BCE são uma monstruosidade econômica e moral, e uma violação do direito natural e das leis da economia. Você não pode punir de forma contínua a produtividade e o sucesso e premiar a falta de iniciativa e o fracasso sem causar um desastre. A UE irá passar por diversas crises econômicas sucessivas e, por fim, irá quebrar. O Brexit, que acabou de ocorrer é apenas o primeiro passo do inevitável processo de desconcentração e descentralização políticas.

Há algo que um cidadão comum possa fazer nesta situação?
Em primeiro lugar, em vez de engolir a ladainha pomposa dos políticos sobre “liberdade”, “prosperidade”, “justiça social” etc., aprender a enxergar a UE como ela realmente é: uma gangue de super picaretas que aumentam o seu poder e sua riqueza às custas de pessoas produtivas. Em segundo lugar, as pessoas devem aprender a desenvolver uma visão clara da alternativa ao pântano atual: não um super estado europeu nem mesmo uma federação de estados nacionais, mas uma visão de uma Europa formada por centenas de Liechtensteins e cantões suíços, unidos entre si através do livre comércio e em competição uns com os outros, na tentativa de oferecer as condições mais atrativas para que pessoas produtivas ali permaneçam ou se mudem para lá.

Você poderia traçar um paralelo entre os EUA e a situação atual da Europa?
A diferença entre a situação da Europa Ocidental e dos EUA é muito menor do que geralmente se considera de cada lado do oceano Atlântico. Em primeiro lugar, os acontecimentos na Europa desde o fim da Segunda Guerra Mundial foram observados de perto, guiados e manipulados, quer fosse através de ameaças ou mediante pagamento de subornos, pelas elites políticas de Washington, a capital dos EUA.  De fato, a Europa tornou-se em sua essência um vassalo, um satélite, um dependente dos EUA. Isso pode ser observado, por um lado, pelo fato de que atualmente tropas americanas estão posicionadas por toda a Europa, até a fronteira russa. E por outro lado, pode-se observar a contínua romaria das elites políticas europeias em direção a Washington, realizada de forma mais regular e mais zelosa do que qualquer peregrinação muçulmana até Meca, com o objetivo de receber as bênçãos de seus mestres. Isso ocorre em especial com a elite política alemã, cujo complexo de culpa neste meio tempo assumiu o status de uma espécie de doença mental. Os alemães se destacam por sua covardia, subserviência e solicitude.

Já em relação aos assuntos domésticos dos EUA, ambos europeus e americanos estão geralmente errados. É frequente que os europeus ainda enxerguem os EUA como a “terra da liberdade”, do individualismo inabalável e do capitalismo sem barreiras ou entraves. Enquanto que os americanos, desde que eles saibam ou aleguem saber qualquer coisa que seja, sobre o mundo que existe além dos EUA, frequentemente enxergam a Europa como um local de socialismo desenfreado e coletivista, completamente alheio ao seu próprio “American way”. De fato não existe uma grande diferença entre o assim chamado “capitalismo democrático” dos EUA e o “socialismo democrático” europeu. Seguramente, os EUA sempre tiveram mais e mais proponentes vocais do capitalismo de livre mercado, ainda é capaz de atrair muitos dos melhores e mais brilhantes do mundo e, de fato, a porcentagem de imposto americano em relação ao PIB fica atrás da maioria dos países europeus – mas nem tanto assim. Na realidade está mais alta do que a da Suíça, país que não é membro da UE, por exemplo. E no que se refere a dívida do governo americano como uma porcentagem do PIB, esta é na realidade mais alta do que a da maioria dos países europeus e coloca os EUA na mesma categoria econômica do que países como a Grécia, por exemplo.  Também é verdade que: nos EUA você ainda pode dizer quase tudo o que você quiser sem ter que temer um processo criminal, enquanto que tomar tal liberdade na maior parte da Europa pode muito bem te colocar na cadeia. No entanto a doença do “politicamente correto”, da “não discriminação” e da “ação afirmativa”, que está atualmente se alastrando no mundo ocidental como uma epidemia é, de fato, originária dos EUA. Isso começou em 1960, com a assim chamada legislação dos “direitos civis” e foi lá mesmo nos EUA, que ela tomou maior vulto e atingiu os seus maiores excessos e graus de absurdez. Dessa forma, embora dizer a coisa politicamente incorreta não faria com que você fosse preso nos EUA, você teria a sua carreira destruída quase que certamente,  e de forma ainda pior, do que em qualquer país europeu.
E quanto à política externa americana: subitamente as elites políticas dos EUA começaram a convidar o terceiro mundo a vir para os EUA, e muito antes que as mesmas políticas “multiculturais” fossem adotadas também na Europa, essas mesmas elites conduziram uma política agressiva de invasão mundial e atacaram, apenas nas décadas mais recentes, o Afeganistão, Paquistão, Iraque, Líbia, Síria, Sudão, Somália e o Iêmen, causando a morte de centenas de milhares de civis inocentes e gerando uma onda de terrorismo islâmico, em grande parte custeado pela Arábia Saudita, com quem as elites políticas alimentam uma relação de extrema cordialidade.

Por fim, como você avalia o sucesso econômico dos ex países comunistas, como a China, que combinam ditaduras de um só partido com mercados parcialmente livres?
O sucesso econômico de um país depende de três fatores interdependentes: a segurança da propriedade privada e dos direitos de propriedade, a liberdade de contrato e de comércio e a liberdade de associação e desassociação – e, é claro, da diligência, inteligência e perspicácia de seu povo. Cada um dos estados do mundo, uma vez que depende de tributos para o seu próprio financiamento age através da violação desses requisitos. Mas essa violação pode ser maior ou menor e mais ou menos abrangente. Isso explica o relativo sucesso de alguns países e o fracasso de outros. A organização interna de um estado, quer seja uma ditadura de um só partido ou uma democracia pluripartidária, é essencialmente irrelevante neste aspecto. De fato, como o exemplo recente da Venezuela nos demonstra vividamente, a democracia e a eleição democrática pode muito bem levar a quase completa abolição dos direitos de propriedade privada e ao fim da liberdade contratual e comercial e resultar em um espetacular colapso econômico.
Da mesma forma, comparativamente a performance econômica da China x Índia é instrutiva neste aspecto. Enquanto que a Índia moderna, já há 70 anos, é governada democraticamente, a China moderna foi governada o tempo todo por uma ditadura comunista mono partidária, aproximadamente metade do tempo, na era do Mao por um partido comunista ortodoxo, e na segunda metade por um regime reformista-comunista “liberal”. O resultado? Ambos os países ainda se encontram desesperadamente pobres, de acordo com as medidas dos padrões ocidentais, indicando que ambos os governos mostraram pouco ou nenhum respeito à propriedade privada e seus direitos. Mas: enquanto que a situação econômica estava igualmente desesperadora em ambos os países até o início dos anos 1980, desde então, com o surgimento do “comunismo reformista” na China, o PIB chinês ultrapassou bem e ficou significativamente acima do PIB da Índia, indicando uma maior liberdade econômica comparativamente na China e/ou uma população chinesa média mais brilhante e mais diligente.
Concluindo: não confie em uma democracia, mas você tampouco deveria confiar em uma ditadura. Prefira confiar em uma descentralização política radical, não apenas na Índia e na China, mas em todo e qualquer lugar.

Traduzido por Tatiana Villas Boas Gabbi.

As 4 fases do Projeto Blue Beam