sábado, 22 de fevereiro de 2014

Quem FINANCIA a Nova Ordem Mundial: Bancos globalistas ganham MILHÕES com a cocaína colombiana

http://www.resistir.info/colombia/imagens/wachovia.jpg 
Alguém ainda duvidava? É por isso que o tráfico de drogas nunca acabará...
A implementações da elite global são financiadas pelo tráfico! Eles utilizam seus bancos para lavar o dinheiro que recebem.

Enquanto a produção de cocaína devasta os países da América Central, os consumidores dos EUA e da Europa ajudam as economias desenvolvidas a enriquecerem-se com os lucros dessa produção.

Os vastos lucros do tráfico e da produção de droga vão para os países ricos e consumidores – como os da Europa ou os Estados Unidos da América – numa proporção muito superior do que ficam nos países devastados por essa produção, como a Colômbia ou o México, revela um estudo recente [1] . Os seus autores afirmam que as entidades reguladoras são relutantes em investigar o enorme processo da lavagem de dinheiro da droga, levada a cabo pelos bancos europeus e norte-americanos.
A mais recente análise da economia da droga – no caso específico da Colômbia – demonstra que apenas 2,6 % do total do valor de mercado da cocaína produzida fica nesse país, ao passo que uns espantosos 97,4% dos lucros são arrecadados pelas máfias criminosas do chamado primeiro mundo, sendo posteriormente submetidos a um processo de “lavagem de dinheiro” nos bancos desses países.

“A história acerca de quem realmente lucra com a cocaína colombiana é uma metáfora para o fardo desproporcionado colocado de todas as maneiras sobre países “produtores” como a Colômbia em consequência da proibição das drogas” afirma, Alejandro Gaviria, um dos autores do estudo, aquando do lançamento da edição inglesa do mesmo na semana passada.

“A sociedade colombiana tem sofrido imenso e não tem retirado nenhuma vantagem económica do tráfico de drogas, os verdadeiros lucros revertem a favor das redes criminosas de distribuição nos países consumidores de drogas, que os “reciclam” no sistema bancário local, sistema esse que opera com muito menos restrições do que o sistema bancário colombiano.”
O seu co-autor, Daniel Mejia, acrescentou: “O sistema aplicado pelas autoridades dos países consumidores de drogas tem como objectivo a repressão do pequeno distribuidor, ele é o elo mais fraco da rede, estas nunca procuram atingir os grandes negociantes de drogas ou os sistemas financeiros que os suportam e é aí que está realmente o grosso do dinheiro”.

Este trabalho, de dois economistas da Universidade de Los Andes, em Bogotá, faz parte de uma iniciativa do governo da Colômbia para reformular a política anti-droga global recentrando-a nos processos de lavagem de dinheiro levados a cabo pelos grandes bancos norte-americanos e europeus, assim como na prevenção social e num processo de descriminalização de algumas ou mesmo de todas as drogas.

Estes economistas tomaram em consideração vários factores económicos, sociais e políticos, das guerras da droga que têm devastado a Colômbia. O conflito estendeu-se, com graves consequências, ao México e receia-se que possa alastrar-se à América Central. Mas a conclusão mais chocante está relacionada com aquilo a que os autores chamam “microeconomia da produção de cocaína” na Colômbia.
Gaviria e Mejía calculam que, ao mais baixo valor que a cocaína pura produzida na Colômbia pode atingir nas ruas (cerca de 100 dólares/ 80 euros por grama) o lucro foi, no ano de 2008, de 300 mil milhões de dólares, dos quais apenas 7,8 mil milhões ficaram no país.

“É uma porção minúscula do PNB”, disse Mejía, “o que pode ter um efeito desastroso na vida política e social da Colômbia, mas não na economia. A economia da cocaína colombiana está fora da Colômbia”.

Mejía disse ainda a The Observer: “Na minha perspectiva a proibição das drogas é um processo de transferência de custos do problema das drogas, dos países consumidores para os países produtores”.

“Se países como a Colômbia lucrassem economicamente com o tráfico de droga, ainda faria um pouco de sentido” afirmou Gaviria”. Em vez disso, a Colômbia e o México pagam o maior preço para que outros tenham lucro”.

“Eu gostava de ilustrar a situação para os cidadãos norte-americanos: imaginem que o consumo de cocaína nos Estados Unidos desaparecia e se deslocava para o Canadá. Será que os americanos gostariam de ver a taxa de homicídio de Seattle disparar para que se evitasse que a cocaína e o dinheiro fossem para o Canadá? Desta maneira talvez percebessem os custos desta situação para países como o México e a Colômbia”
Os mecanismos de lavagem de dinheiro foram tratados pelo The Observer no ano passado, depois de um raríssimo acordo judicial em Miami entre o governo federal dos Estados Unidos e o Wanchovia Bank, tendo este último admitido que fazia entrar 110 milhões de dólares de dinheiro da droga nos Estados Unidos. No entanto as autoridades não conseguiram monitorizar os 376 mil milhões de dólares que, ao longo de quatro anos, entraram nas contas desse banco através de casas de câmbio no México. O Wachovia Bank foi, já depois deste acordo, adquirido pelo Wells Fargo que cooperava com a investigação.

No entanto ninguém foi preso, e o banco está hoje fora de qualquer complicação judicial. “O sentimento geral é o de uma grande relutância em ir atrás dos lucros reais da droga” disse Mejía. “Eles não se ocupam daquela parte do sistema onde está a maior soma. Na Europa e nos EUA o dinheiro está disperso – quando chega a estes países o dinheiro entra no sistema, em todas as cidades, em todos os estados. Eles preferem ir atrás da pequena economia, dos pequenos intermediários e das plantações de coca na Colômbia, mesmo sabendo que essa economia é minúscula”.

O Dr. Mejía acrescentou: “Na Colômbia eles colocam aos bancos questões que nunca colocariam aos bancos nos Estados Unidos. Se o fizessem seria contra as leis do sigilo bancário. Nos Estados Unidos existem leis muito fortes que protegem o segredo bancário, na Colômbia tais leis não existem – ainda que a lavagem de dinheiro se faça mais nos Estados Unidos. É um sistema um pouco hipócrita, não?”
“É uma extensão da forma como operam no seu próprio país. Vão atrás das classes baixas, dos elos mais fracos da cadeia, do pobre tipo – para mais facilmente mostrar resultados. Mais uma vez: é a vontade de transferir o custo da guerra da droga para os mais pobres, deixando o sistema financeiro e os grandes negociantes intocados, que motiva todo este sistema”

Tendo o Reino Unido suplantado os EUA e a Espanha como o maior consumidor mundial de cocaína per capita , a investigação ao Wachovia mostrou também que muito do dinheiro da droga era lavado através da City de Londres, onde o principal denunciante do caso, Martin Woods, estava sediado, no departamento anti-lavagem de dinheiro do banco. Martin Woods foi posteriormente demitido depois de ter denunciado a situação.

Gaviria disse ainda: “Nós sabemos que as autoridades nos Estados Unidos e no Reino Unido sabem mais do que aquilo que as suas acções fazem transparecer. As autoridades apercebem-se de inúmeros casos de pessoas que tentam movimentar dinheiro para o tráfico de droga – mas a DEA (Departamento Anti-droga dos EUA) age apenas num número mínimo de casos”
“É um verdadeiro tabu perseguir os grandes bancos” acrescentou Mejía, “seria suicidário neste clima económico devido às elevadas quantias de dinheiro reciclado”

por Ed Vulliamy
1] Alejandro Gaviria Uribe e Daniel Mejía Londoño, Políticas antidroga en Colombia: éxitos, fracasos y extravíos , Ediciones Uniandes, Bogotá, 2012, 458 pgs., ISBN/ISSN: 978-958-695-602-4

O original encontra-se em www.guardian.co.uk/world/2012/jun/02/western-banks-colombian-cocaine-trade
Tradução de MQ.

Read more: http://www.revelacaofinal.com/2012/06/quem-financia-nova-ordem-mundial-bancos.html#ixzz2u5q4h0Jb
Enhanced by Zemanta

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Compreendendo a Mentalidade dos Illuminati — Como Pensam os Membros da Elite Global?


Autor: Jeremy James.
Este trabalho de pesquisa tem o objetivo de destacar uma impressionante entrevista de três horas de duração com o pastor Lindsey Williams, que pode ser assistida no YouTube, fornecer material de pano de fundo sobre os Illuminati, e servir de auxílio para alguns leitores. Observe que na entrevista, ele se refere aos Illuminati como "a Elite".
O pastor Williams trabalhou durante cerca de três anos, no início dos anos 1970s, com um grupo de pessoas que mais tarde ele ficou sabendo que pertenciam ao círculo da elite global. Duas dessas pessoas mantiveram contato com ele ao longo dos anos e uma delas parecia estar disposta a revelar informações privilegiadas, supondo que ninguém acreditaria nelas. A apresentação relaciona-se principalmente com os planos dos Illuminati para o período de 2010-2011.
A apresentação completa está dividida em 21 segmentos, de 10 minutos cada. Os seis primeiros são intitulados "Tragedy"; os próximos sete "Hope"; e os oito últimos "Reality".
Os Illuminati são os verdadeiros governantes deste mundo, a Elite que exerce controle total sobre os sistemas financeiro e político de todos os principais países industrializados. Eles são descritos por Cristo como "a sinagoga de Satanás", pois Satanás (Lúcifer) é o deus deles. Eles adoram e servem a Lúcifer, o assim chamado Anjo de Luz, de forma parecida como os cristãos adoram e servem ao Senhor Deus.
Poucas pessoas sabem que eles existem, embora Cristo tenha sido muito claro sobre a existência deles. Como o mundo é governado por Lúcifer e esses são seus agentes leais, então eles também governam o mundo. Em um sentido muito real, eles são os meios pelos quais Lúcifer está implementando seu grande plano de obter controle total sobre a humanidade.
Uma das razões por que os Illuminati conseguiram ser tão bem sucedidos em se ocultar é que as pessoas "normais" acham difícil imaginar a existência deles. Como pode ser possível, elas perguntam, que essas pessoas possam estar tão imbuídas com a falsa luz de Lúcifer que tudo o que fizeram foi dedicado à obra dele neste mundo?
O propósito deste ensaio é (a) descrever o tipo de pessoa sobre o qual estamos falando e (b) identificar a mentalidade e o modo como eles veem o mundo.

O Estereótipo Tradicional de uma Pessoa Maligna É Enganoso

Até cerca de cem anos atrás, a maior parte da população do mundo ocidental professava a fé cristã. Isto significa que as pessoas reconheciam o mal como uma realidade tangível e uma ameaça presente ao seu bem-estar espiritual. Elas sabiam que o mal era mais do apenas a ausência do bem, mas também uma treva devoradora que poderia destruir os incautos. Hoje, essa compreensão foi totalmente perdida.
É correto dizer que Satanás se escondeu extremamente bem, induzindo a maior parte da humanidade a acreditar que ele não existe, que ele era simplesmente uma entidade mítica que as civilizações anteriores, menos amadurecidas, precisaram criar para explicar o sofrimento e as adversidades neste mundo.
Hoje, a malignidade é normalmente retratada como uma patologia. Uma pessoa patentemente maligna é frequentemente vista pelos profissionais como uma vítima de um sério distúrbio de personalidade, que surgiu, talvez, devido a alguma anormalidade genética ou a um trauma sofrido na infância. Desse modo, o mal é erroneamente reduzido a um fenômeno neurológico ou psiquiátrico — uma trivialização que falha profundamente em reconhecê-lo com uma realidade sobrenatural independente e altamente destrutiva.
É impossível compreender os Illuminati e a estratégia deles para produzir um sistema totalitário de governo global sem reconhecer que a malignidade extrema existe, que algumas pessoas fazem a escolha de servir a essa força sobrenatural das trevas, e que a hierarquia pela qual elas operam é coordenada a partir do mais alto nível pelo próprio Lúcifer. Em outras palavras, devemos considerar seriamente a referência que Cristo fez a respeito da existência da sinagoga de Satanás.
Você se lembra da tentação de Cristo no deserto? O Príncipe das Trevas ofereceu dar os reinos deste mundo ao Senhor, se Ele se inclinasse e o adorasse. Observe que essa tentação não faria sentido se Satanás não possuísse de fato o poder de cumprir a proposta.
Isto é exatamente o que Satanás faz com aqueles que o servem hoje, assegurando-lhes um sucesso terreal extraordinário, porém imerecido, em troca da inquestionável lealdade e obediência.
Uma jornalista que cobriu o julgamento de Eichmann em 1962 ficou admirada pela total disparidade entre os horrores dos crimes cometidos por aquele infame oficial nazista e o indivíduo frágil e de aparência comum que estava diante dela. Ela lutou para encontrar uma descrição adequada para aquela enorme contradição — como um homem tranquilo, que estava simplesmente "realizando seu trabalho" pôde organizar o assassinato em uma escala tão grande? Eventualmente, ela se contentou com apenas quatro palavras: a banalidade do mal.
Pensamos geralmente que a malignidade extrema deva ser fácil de discernir, mas ela não é. A indústria do cinema em Hollywood, a maior máquina de propaganda dos Illuminati, tem feito seu trabalho muito bem. Após décadas de doutrinação, a maioria das pessoas espera que um indivíduo maligno exiba alguma característica exterior que indique as trevas sobrenaturais em seu coração. Mas, elas estão enganadas!
Devemos descartar todos esses estereótipos; caso contrário, a "banalidade do mal" nos enganará repetidamente. A Elite Global é formada por pessoas da mais alta cultura, charme e educação que existem no mundo. Ninguém nunca suspeitaria que um consórcio desse calibre, com credenciais profissionais impecáveis, esteja atarefado com o planejamento da Terceira Guerra Mundial e, em seguida, de uma ditadura marxista. Os membros dessa elite estão tão perfeitamente possessos pelo ideal luciferiano, tão plenamente alinhados com seus propósitos gerais, que são virtualmente indetectáveis.

Os Objetivos e Filosofia dos Illuminati

Se eles fossem profundamente sigilosos sobre si mesmos, teríamos uma imensa dificuldade em entender como a mente deles funciona. Felizmente para nós, muitos deles são arrogantes e gostam de exibir sua superioridade intelectual. Basta examinar os escritos de homens como H. G. Wells, Aldous Huxley ou Bertrand Russell, para ver a arrogância e as atitudes intensamente antibíblicas que caracterizam a mentalidade dos Illuminati. Eles consideram que têm o direito de governar este mundo e estão trabalhando em silêncio, aguardando o momento certo para que sua longamente planejada Nova Ordem Mundial possa ser estabelecida.
Podemos aprender muito mais sobre a mentalidade deles examinando suas crenças. Para começar, eles não são ateístas. Como já vimos, o deus deles é Lúcifer. Embora o Cristianismo retrate Lúcifer como Satanás, a suprema incorporação de tudo o que é maligno, eles o veem como o único deus verdadeiro. Para eles, ele é aquele que traz a luz, a verdadeira fonte de todo o conhecimento e poder. O objetivo na filosofia deles é se tornar totalmente imbuído com a luz de Lúcifer. Qualquer um que alcance esse estado de "iluminação" é conhecido como um Illuminatus (plural: Illuminati).
Eles consideram a ciência e a tecnologia como as chaves para a expansão ilimitada da influência humana no universo. Esse conhecimento é transmitido aos poucos por Lúcifer para aqueles que o servem bem. Eventualmente, o homem solucionará o problema do envelhecimento e da viagem no espaço e poderá colonizar planetas distantes. Com o tempo, eles acreditam, o homem superior poderá se tornar ainda mais forte por meio da inserção em seu corpo dos avanços produzidos pela eletrônica e pela genética.
Eles consideram o Deus da Bíblia como falso, um opressor que tenta manter o homem em submissão, retendo o conhecimento e ensinando uma filosofia fraca e desprezível. Por outro lado, Lúcifer é visto como o grande libertador, aquele que ajuda o homem a alcançar sua natureza divina.
Eles sabem, porém, que o Deus da Bíblia não pode ser derrubado. Em vez disso, eles acreditam que Lúcifer é igual a esse Deus e que os dois lutarão um contra o outro por toda a eternidade. Assim, os Illuminati imaginam o universo em termos dinâmicos e dualistas — bom e mau, positivo e negativo, macho e fêmea, forte e fraco, luz e trevas. O verdadeiro objetivo de qualquer ser humano é adquirir um conhecimento tão perfeito do bem e do mal que ele possa ascender em triunfo sobre o conflito cósmico e viver como um deus.
Você deve se lembrar que o conhecimento do bem e do mal é exatamente aquilo que Satanás ofereceu a Eva no Jardim do Éden. Ele também prometeu que, se ela obtivesse o conhecimento, poderia se tornar uma deusa no perfeito sentido da palavra. Isto mostra como as mentiras de Satanás nunca mudam e que ele continua a ensinar a mesma filosofia de rebelião, que também é totalmente falsa.
De acordo com a Elite, muitos poucos indivíduos terão a força para se tornarem um Illuminatus. A maioria é fraca. De fato, incontáveis milhões são tão fracos que merecem ser destruídos. Eles estão simplesmente consumindo os recursos e poluindo o planeta Terra. Aqueles que já estudaram os planos dos Illuminati acreditam que eles têm a intenção de despovoar grandes regiões do planeta e permitir que elas retornem ao estado silvestre natural. Isto está de acordo com o cenário de fim dos tempos descrito no Apocalipse, em que uma grande proporção da humanidade morre em questão de meses, vitimada por doenças, fomes e outras calamidades.
É por esta razão que a Teoria da Evolução é tão importante para os Illuminati. Eles veem os seres humanos como animais, exatamente como as outras criaturas na Terra. Eles deveriam evoluir para cima, porém poucos fazem isso. Somente aqueles que vêm das linhagens sanguíneas da Elite é que conseguiram sair de seu estado humano fixo — a prisão em que são mantidos pelo Deus da Bíblia — e estão se movendo em direção às alturas exaltadas do Iluminismo e da liberdade espiritual.
Os Illuminati, que são principalmente anglo-saxões, usam a ciência ocultista da Evolução para justificar seu intenso racismo. Apenas raramente um indivíduo que não seja branco é considerado por eles como possuidor das qualidades "espirituais" necessárias para ingressar em seu meio.

A Elite Governante e suas Famílias

Há várias gerações que as famílias da Elite ensinam essa filosofia exclusivista para seus filhos. Eles trabalham em conjunto para fortalecerem sua influência coletiva na sociedade e, para esse fim, tradicionamente direcionam seus filhos a escolherem carreiras no sistema financeiro, na área jurídica e na política. Em décadas recentes, o nível de envolvimento prático deles foi grandemente expandido para corresponder ao tremendo aumento no poder e influência que eles agora exercem nas grandes empresas transnacionais e em instituições internacionais.
Essas famílias da elite sempre garantem que seus filhos recebam uma educação de primeira classe. Em seguida, selecionam aqueles que forem os mais brilhantes para receberem treinamento avançado. Elas são intensamente nepotistas e, uma vez que firmem o pé no nível mais alto nas grande empresas transnacionais e em instituições-chaves, abrem ainda mais as portas para seus parentes. Como esse processo continua há várias gerações, elas foram capazes de coordenar seus esforços com tanta eficiência que dificilmente há uma grande organização em algum país industrializado que as famílias da elite não controlem ou influenciem de algum modo, seja diretamente, ou por meio de procuradores.
Por volta de meados do século 20, elas parecem ter tomado a decisão deliberada de aceitar indivíduos que não são membros dos Illuminati, mas que, devido às suas habilidades e disposição, podem se provar úteis para a elite. Candidatos adequados são identificados, selecionados no nível universitário e depois recebem o treinamento necessário, bem como são apresentados aos atores principais, por meio de mecanismos como as Bolsas Acadêmicas Rhodes ou da Associação Fulbright.
Se você vê tudo isto como meramente uma "conspiração" e, portanto, como algo improvável — está perdendo o ponto. Há muito tempo que se sabe que as pessoas muito ricas e influentes trabalham em conjunto para fazerem avançar seus respectivos interesses. Essas cabalas e cartéis são frequentemente chamados de "círculo de ouro". A única característica distintiva do cartel dos Illuminati é que ele está operando há muito tempo, trabalha entre as fronteiras nacionais e seus membros mais influentes são praticantes do ocultismo. De fato, se você considerar a depravação da natureza humana e as lições salutares da história, seria surpreendente se um cartel dessa natureza não existisse.

Os Illuminati e o Cartel Final

De todas as organizações subversivas e que buscam seu próprios interesses, que existiram desde a Idade Média, nenhuma foi tão cruel, ambiciosa ou tão estratégica em suas abordagens quando os Illuminati. É por isto que eles se sobressaíram e estão hoje no topo.
O ponto preciso na história em que eles tomaram o controle é difícil de identificar. Uma das marcas características dos Illuminati é sua capacidade de criar organizações secretas que sirvam aos seus propósitos. Desse modo, eles podem exercer controle sobre aqueles que gerenciam as instituições mais importantes na sociedade. Além disso, como os membros dessas organizações estão comprometidos por juramentos secretos e promessas de obediência permanente aos membros de escalão mais alto, eles podem ser manipulados de formas que eles mesmos não compreendem. A mais conhecida dessas organizações secretas é a Maçonaria, talvez o instrumento mais eficaz que os Illuminati têm para fazerem avançar sua causa. Não somente a Maçonaria é uma estratégia para atrair empresários e profissionais interessados em alcançarem uma melhoria social, mas também, de uma forma engenhosamente disfarçada, é uma guilda complexa, construída com base em princípios luciferianos. Sem mesmo saber, desde o dia em que ingressa e faz o juramento maçônico, cada membro jura sua lealdade resoluta a Lúcifer.
A Maçonaria cresceu a partir das sociedades ocultistas do Oriente Médio, principalmente a Cabala judaica, a magia egípica e as escolas de mistério da antiga Grécia. À medida que ela se dirigiu ao Ocidente e se incorporou dentro da estrutura formal em vários países europeus, ela provou ser meio difícil de controlar e coordenar. A tarefa de unir esses vários ramos ficou com os maçons mais poderosos na Europa e na América no século 19, notavelmente Albert Pike, Guiseppe Mazzini e Lord Palmerstown. Esse processo de unificação incluiu a criação de uma escola de Maçonaria de elite, profundamente luciferiana, conhecida como Rito Paladiano. Acredita-se que alguns dos membros de nível mais alto dos Illuminati sejam membros desse rito.
Neste ponto, por volta de 1870, os Illuminati tiveram o alcance global que necessitavam para colocar seu grande plano em ação. Por meio dele, eles visavam solapar a independência e soberania dos principais países industrializados e colocá-los todos dentro de um sistema consolidado de governança global — que eles então viriam a controlar. Esta é a infame Nova Ordem Mundial, à qual os presidentes norte-americanos, primeiros-ministros britânicos e outros líderes internacionais têm feito alusão nos últimos vinte anos.

As Três Marretadas

Como as massas teriam resistido à criação de uma entidade assim, ela teria de ser imposta furtivamente. Mas, furtividade apenas não seria suficiente. Algumas marretadas também seriam necessárias para quebrar a ordem antiga — a configuração existente de Estados soberanos e independentes — e substitui-la por entidades políticas progressivamente maiores, que poderiam então ser fundidas para formarem um governo global. Eles reconheceram que três marretadas seriam necessárias. A primeira — a Primeira Guerra Mundial — destruiria os impérios da Europa e do Oriente Médio e estabeleceria, na Rússia, uma versão menor do sistema político totalitário que eles estão planejando impor futuramente sobre todo o mundo. Isto também lhes permitiria estabelecer a primeira instituição política global, a Liga das Nações. A segunda marretada — a Segunda Guerra Mundial — criaria turbulências em toda a Europa e Ásia e lançaria os fundamentos para a China comunista, a União Europeia e as Nações Unidas.
Antes da Primeira Guerra Mundial, as nações da Europa já tinham estabelecido controle total sobre o continente inteiro da África, enquanto que os EUA tinham um forte controle sobre a maior parte da América Latina. A Grã-Bretanha controlava a Índia, grandes porções do Oriente Médio e, por meios de representantes, o Canadá e a Australásia. A Rússia e a China estavam sob controle total dos Illuminati, enquanto que o Japão caiu em suas mãos em 1945. Isso deixou, como desejado, apenas um grande ator no cenário internacional — os EUA.

As Vindouras Turbulências nos Estados Unidos

Os Illuminati visavam usar a terceira marretada para enfraquecer fatalmente os EUA e traumatizar o restante do mundo. Eles sabem que, quando esse golpe for dado, todos clamarão para que uma organização internacional restaure a calma a qualquer preço. O "preço" cobrado pela Elite Governante será a abolição do sistema existente dos Estados soberanos e independentes e a criação de um sistema global de governo. Uma vez que os Illuminati têm essa estrutura global estabelecida, eles então serão capazes de lentamente apertar os laços até que o mundo esteja firmemente nas mãos de uma ditadura marxista perfeitamente funcional.
Os EUA são, literalmente, o último homem em pé, o único obstáculo entre os Illuminati e a criação de um Governo Mundial único.
Essa terceira marretada virá por meio da devastação causada pela Terceira Guerra Mundial. Nos últimos cem anos, os Illuminati colocaram os "dominós" necessários em suas posições. Usando uma série de situações críticas criadas de forma deliberada — o Oriente Médio, as Coreias do Sul e do Norte, a Caxemira e Taiwan — eles planejam colocar em ação uma sequência de ataques nucleares recíprocos que matarão milhões de pessoas e desestabilizarão grandes partes do globo. Os EUA, sendo aliados de Taiwan e da Coreia do Sul por força de tratados internacionais, serão levados a uma confrontação mortal com a China. Enquanto isso, hordas radicais do Islã tentarão derrotar Israel, e tensões antigas entre o Paquistão e Índia — ambos os quais têm mísseis nucleares — se transformarão em uma guerra total.
A maior parte do sofrimento na Europa virá por meio de uma escassez de petróleo e de alimentos, colapso do sistema bancário internacional e atividades terroristas ocasionais. O uso de armas biológicas e da tecnologia para provocar terremotos não devem ser descartados.
Pelo menos, este parece ser o plano. Nunca podemos ter certeza, pois eles continuam a modificar e atualizar a estratégia de acordo com as circunstâncias. Isto permite que eles se aproveitem ao máximo das condições auspiciosas e escondam suas atividades subversivas por trás da capa de eventos aparentemente normais.
Talvez eles não precisem implementar todos os elementos em seu grande plano de modo a alcançar os resultados que desejam. Entretanto, existem fortes indícios que querem seriamente desestabilizar os EUA usando artefatos nucleares e depois lançar a culpa sobre o Islã radical. Esses artefatos causarão estragos em várias cidades da América do Norte — quatro ou cinco nos EUA, uma no Canadá e outra no México. Os Illuminati em seguida explorarão o caos resultante para colocar toda a América do Norte sob a Lei Marcial, prender os dissidentes, e acusar as igrejas cristãs e bíblicas como terrenos de gestação para o "fundamentalismo".
A campanha para difamar e vilificar os cristãos que creem na Bíblia já está acontecendo. O maior "evangelista" nos EUA, o pastor Rick Warren — que é membro do Conselho das Relações Internacionais (o CFR), uma fortaleza dos Illuminati — fez as seguintes declarações alguns anos atrás:
"Hoje, não restaram realmente muitos fundamentalistas; não sei se você sabe disto ou não, mas eles são uma minoria bem pequena. Não restaram muitos fundamentalistas na América... Agora, a palavra 'fundamentalista' na verdade vem de um documento dos anos 1920s, chamado 'Os Cinco Fundamentos da Fé', que é uma visão muito legalista e estreita do Cristianismo" [de uma entrevista com o Pew Forum on Religion, maio de 2005].
Warren prediz que o fundamentalismo, de todas as variedades, será "um dos grandes inimigos do século 21". "Fundamentalismo islâmico, fundamentalismo cristão, fundamentalismo judaico, fundamentalismo secular — eles são todos motivados pelo medo, medo uns dos outros." [de uma entrevista com Paul Nussbaum, janeiro de 2006].
Em resumo, se você acredita na Bíblia e a aceita incondicionalmente como a Palavra de Deus, então corre o risco de ser rotulado como um cristão fundamentalista e, como tal, um potencial terrorista.
Os Illuminati desprezam o Cristianismo e querem que ele seja eliminado, especialmente nos EUA. Na verdade, as vindouras turbulências serão usadas para desacreditar todas as religiões que afirmem ter o monopólio exclusivo da verdade. Essas religiões serão rotuladas, não apenas como divisivas e intolerantes, mas a causa-raiz de todas as guerras (incluindo a Terceira Guerra Mundial). É por isto que a confrontação no Oriente Médio será tão importante. Logo após esse terrível evento, os seguidores do Cristianismo, do judaísmo e do islamismo muito provavelmente precisarão se comprometer a seguir um conjunto de princípios espirituais universais e, desse modo, renunciar à exclusividade de suas crenças religiosas. Em toda a parte, os cristãos, submetendo-se a essa Religião Mundial Única "tolerante", estarão rejeitando a Cristo e o Senhor Deus da Bíblia.
Os EUA são o "último homem em pé". Se tudo isto parece profundamente improvável, então considere o seguinte:
  1. Jesus Cristo advertiu sobre a sinagoga de Satanás (veja Apocalipse 2:9).
  2. O objetivo de Satanás é controlar o mundo inteiro e induzir todos a adorá-lo.
  3. Nada faz ruir uma estrutura política de forma tão rápida e decisiva quanto um golpe vigoroso.
  4. Os Illuminati já usaram duas Guerras Mundiais para fazerem avançar seus projetos.
  5. Eles já fizeram muitos esforços para criar várias situações críticas no mundo inteiro.
  6. A vindoura Guerra Mundial nocauteará o "último homem em pé" — os EUA.
  7. Ela também esmiuçará em toda a parte a resistência para a criação de um Governo Mundial Único.
  8. A guerra terminará em apenas alguns poucos meses.
Os EUA foram deliberadamente fortalecidos durante o século 20 para se tornarem a locomotiva para a economia mundial. O dólar reinou supremo no comércio internacional, nos bancos internacionais e os mercados financeiros. Praticamente todos os desenvolvimentos tecnológicos e industriais foram planejados para terem sua origem na grande, estável e sempre crescente economia norte-americana. Isso garante que, quando o pais entrar em colapso, de acordo com o calendário dos Illuminati, a economia mundial como um todo será arrastada para uma grande crise.
Isto é exatamente o que o marxismo planejava alcançar. Portanto, não deve ser surpresa que o atual presidente norte-americano — que surgiu do nada em 2007 — tenha, durante vários anos, lecionado em oficinas aquilo que é, talvez, a variedade mais potente de marxismo que se conhece hoje, a de Saul Alinsky. O livro de Alinksy, Rules for Radicals (Regras para Radicais), que ele dedicou a Lúcifer, é quase um texto sagrado entre os comunistas e anarquistas em todo o mundo. Ele é tão subversivo e tão desumanamente destrutivo, que faz Maquiavel parecer um menino coroinha.
A propósito, a Secretária de Estado Hillary Clinton baseou sua tese de formatura nas obras de Alinsky. Se você é um cidadão norte-americano e esses fatos não lhe causam profunda preocupação, então o destino de seu grande país já está selado.

O Messias / Maitreia

Alguns podem ver o cenário vindouro da Terceira Guerra Mundial como o fim dos tempos descrito no livro do Apocalipse. Entretanto, muito provavelmente, ele será apenas o prelúdio daquela pavorosa série de eventos. A iniciativa da paz global será liderada por um homem que será considerado por todos possuidor de atributos pessoais incomuns. Seu papel em restaurar a estabilidade, bem como os milagres impressionantes que ele realizará, convencerão a muitos que ele é a pessoa mais carismática e santificada na Terra, possivelmente até o Messias da cristandade e do judaísmo, o Maitreia do budismo, ou o Imã Mahdi dos muçulmanos xiítas.
A grande farsa poderá até ser reforçada por sinais (criados pelo homem) nos céu, uma frota de óvnis (também criados pelo homem) e até um grupo de animais transgênicos e humanóides. Todos esses elementos terão o objetivo de convencer as massas humanas que uma delegação de seres sábios e benevolentes chegou de outro sistema estrelar para nos "salvar".
Quando o suposto Messias/Maitreia assinar um tratado de paz de sete anos com Israel, deverá ser óbvio para os cristãos em toda a parte que ele é na verdade o falso Cristo, ou o Anticristo, descrito no Apocalipse.

A Mentalidade dos Illuminati

Algumas vezes, as pessoas perguntam: "Como pode qualquer pessoa normal pensar como os membros dessa elite pensam?" A explicação é que eles não são pessoas normais. Toda a visão de mundo deles é profundamente diferente da nossa. Eles não são loucos ou desequilibrados. Na verdade, eles valorizam a racionalidade mais do que qualquer pessoa mediana.
Muitos deles parecem justificar seu plano radical com a seguinte base: a população mundial está se expandindo a uma velociade insustentável. Se ela não for rigidamente controlada, o planeta entrará em colaspo e cairá no caos. No que se refere aos sistemas de governo, a democracia foi experimentada e mostrou ser inútil. Os cidadãos simplesmente elegem o partido que mais provavelmente lhes dará alguma coisa de graça. O único modo de conter essa situação cada vez mais perigosa — explosão populacional e dívida do governo sempre crescente — é colocar o poder exclusivamente nas mãos daqueles que realmente sabem como governar. Eles reduzirão a população até um nível sustentável, fornecerão um governo estável e terminarão com as incontáveis guerras que surgem a partir das disputas nacionais, étnicas e religiosas.
Na visão deles, se medidas extremas são necessárias para produzir essa situação "sustentável", então elas precisam ser administradas. Se milhões precisam morrer em um rápido cataclismo para que um número muito maior possa ser salvo no longo prazo, então essa ação é necessária. Em seus próprios olhos, os Illuminati não são brutais, mas realistas supremos, que agem de acordo com as leis morais universais.
À luz desse plano e de sua filosofia geral, podemos ver que a mentalidade dos Illuminati é moldada em grande parte pelos seguintes princípios:
  • O fim justifica os meios.
  • Os fortes têm o direito moral de governar.
  • Os fracos são espiritualmente deficientes e, portanto, descartáveis.
  • Os fortes esconderão sua identidade até que estejam prontos para assumirem o controle.
  • Todos os valores, exceto aqueles dos Illuminati, são falsos.
  • A sobrevivência e a prosperidade dependem do controle total.
  • Não existe o certo ou errado absolutos fora da vontade humana.
  • Os modos deles podem parecer severos, mas são realistas e necessários.
Nenhuma compreensão dessa mentalidade está completa sem um reconhecimento que ela é TOTALMENTE baseada no ocultismo. A lógica e a força de direção que estão por trás do Iluminismo é o anjo caído conhecido como Lúcifer. Ele tem o poder de conceder riquezas e prestígio consideráveis para aqueles que fazem aliança com a sua causa e os imbui de forma sobrenatural com intensa satisfação quando eles o servem bem. (É esse enlevo inicial de prazer extático que atrai muitos para as profundezas das trevas do ocultismo.).
Sabemos que os Illuminati não são motivados unicamente pela ganância, pois já têm mais dinheiro do que poderiam usar em toda sua vida. Para eles, a emoção real é o poder, a satisfação perversa que obtêm ao exercerem mais e mais controle sobre os outros homens. Esse narcótico é tão potente que eles querem mais dele quanto qualquer dependente químico pode desejar a cocaína.

Portanto, se você tem dificuldade em aceitar que qualquer grupo de pessoas, por mais que sejam mesquinhas e vis, possam seguir um plano complexo de longo prazo para alcançar o domínio mundial, então apenas se lembre que eles todos são viciados — e a droga deles é o poder. Eles alcançam um estado de euforia e de entorpecimento tão grande com essa droga que precisam ter mais e mais dela. Os sintomas da abstinência são tão severos que eles nunca conseguem relaxar suas tensões, nunca moderam seus planos para permitir alternativas mais humanas, nunca consideram a possibilidade que eles possam estar errados. Esta é toda a base para sua determinação mental obstinada, seu incansável comprometimento com um objetivo que para qualquer pessoa normal é vil e perverso.

O Código Moral dos Illuminati

Por mais estranho que possa parecer, os Illuminati têm um código moral. Como Lúcifer tenta imitar tudo o que o Senhor Deus faz, ele pretende operar um sistema de "jogo limpo". É possível inferir essas regras, ou princípios, a partir da filosofia ocultista e do modo como os Illuminati realizaram sua campanha até aqui. Suspeito que a lista seguinte nem de longe esteja completa, porém ela dá uma amostra de como eles pensam e o que podemos esperar em um futuro próximo:
  1. Antes de destruir seu inimigo, você precisa avisá-lo do que vai fazer com ele.
  2. A vingança não é apenas para dar prazer, mas também é necessária.
  3. Tudo na Força precisa estar em equilíbrio. Portanto, todos os atos negativos precisam ser correspondidos por ações positivas.
  4. Os fortes estão moralmente obrigados a explorarem os fracos para um propósito maior.
  5. Somente o poder é real. O amor e a compaixão são simplesmente ilusões para confortar os fracos.
  6. Toda ação tem o tempo e o lugar corretos na ordem cósmica.
  7. Os sacrifícios são necessários para o bem maior.
  8. O fim justifica os meios.
De acordo com o Princípio 1, os Illuminati estão há algum tempo dizendo ao mundo o que planejam fazer. Diferentes aspectos do plano deles são revelados por meio dos filmes do cinema, livros, minisséries na televisão e até mesmo na propaganda de produtos comerciais. (Veja os anúncios do uísque Jack Daniels e da vodca Absolut mostrados anteriormente.)
O pastor Lindsey Williams ouviu de seu informante (um membro muito idoso dos Illuminati), em outubro de 2009, que vários filmes de Hollywood ao longo dos dois próximos anos mostrariam eventos planejados para o futuro de um modo muito chocante. (Veja no início deste texto o link que mostra a apresentação de três horas no YouTube — não deixe de assistir, caso você tenha boa fluência oral na língua inglesa.)
O Princípio 3, referente ao equilíbrio cósmico, explica por que os multibilionários fazem questão de doar grandes somas de dinheiro para as obras filantrópicas. Eles acreditam que as obras "positivas" cancelam, ou equilibram, suas obras "negativas".
O Princípio 5, referente ao tempo dos eventos, baseia-se na crença deles na astrologia e na mecânica do cosmos. Na filosofia deles, a ação correta pode ser anulada se for realizada em um dia errado. Por este motivo, ele gostam de iniciar os grandes eventos em dias de significado ocultista.

Os Illuminati São uma Conspiração Judaica, ou Sionista?

Satanás usa qualquer um que ele puder para fazer avançar seus planos. Os Illuminati hoje não são um cartel judaico, embora muitos dos membros mais influentes sejam etnicamente judeus. O núcleo dos Illuminati parece ser formado pelos membros mais ricos do Sistema de Poder anglo-americano, certas famílias reais europeias e diversas dinastias bancárias judaicas.
O infame documento conhecido como Protocolo dos Sábios de Sião não é uma falsificação, mas também não é estritamente sionista. Basta você considerar os acontecimentos globais desde que eles foram publicados, em 1905, para ver o quão de perto eles refletem a terrível estratégia definida nos Protocolos. Alguns comentaristas acreditam que a estratégia seja revisada ligeiramente a cada geração, de modo a refletir as mutações nas condições mundiais. O "gado humano", ou os "gentios", como eles se referem, não são os povos gentios apenas, mas as massas da humanidade, incluindo "judeus comuns", que são desprezados pelos Illuminati.

Como Lúcifer Engana os Illuminati

Para pessoas assim inteligentes — e muitas delas são extremamente inteligentes — é extraordinária a incapacidade dos Illuminati de enxergarem a tolice de todo seu empreendimento. Tudo o que estão fazendo depende da crença que o deus deles, Lúcifer, honrará sua parte no acordo e lhes dará uma grande recompensa na vida futura. (Sim, eles acreditam na vida após a morte, seja em um reino dado a eles por Lúcifer, ou como uma alma reencarnada em uma família Illuminati aqui na Terra). Entretanto, a realidade é que Lúcifer os despreza, do mesmo modo como despreza todos os outros seres humanos. Como fomos criados à imagem e semelhança de Deus, Lúcifer é incapaz de deixar de odiar qualquer pessoa, até mesmo aquelas que o servem fielmente. Depois que eles completarem sua tarefa aqui na Terra, enfrentarão o julgamento diante do trono de Cristo. Dali para frente, viverão com Satanás no domínio dele — como sempre quiseram — somente que aprenderão em primeira mão o quão sadista, amargo e malicioso o Grande Enganador realmente é.

O Senhor Deus é o Todo-Poderoso

Nada pode acontecer na Terra (ou nos céus) sem a permissão de Deus. O homem natural é caído, está separado de Deus por causa de sua rejeição à autoridade de Deus. Como resultado, ele tem seguido um caminho que, voltado para seus próprios interesses, deixa-o fatalmente exposto à sedução de Satanás. O Senhor Deus não deseja que o homem se perca para sempre, mas o próprio homem é quem resiste ao presente que Deus oferece — a salvação por meio da morte e do sangue de Seu Filho Jesus Cristo.

O trauma vindouro é simplesmente um julgamento de Senhor Deus. A nação norte-americana será particularmente afetada, pois traiu a doutrina de Cristo. Mais de 40 milhões de bebês já foram "legalmente" assassinados no útero materno, desde 1973. Milhões de cidadãos estadunideneses estão viciados em pornografia, promiscuidade, drogas, álcool, jogos de azar e refestelam-se em todos os tipos de pecados. A maioria não tem ideia do que seja a retidão ou o que o Senhor Deus deseja do homem. A mentalidade "ter tudo o que puder", que agora se propagou por todos os níveis da sociedade é uma doença espiritual. Um número incontável de pessoas pratica alguma forma de magia e de ocultismo. A maior parte das igrejas que se dizem cristãs há muito tempo já se afastou do verdadeiro evangelho de Cristo e o substituiu por uma mensagem rasa, do tipo "sinta-se bem consigo mesmo", que não leva ninguém ao arrependimento.
Se você ainda não recebeu Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador, então considere seriamente fazer isso. Nenhuma das religiões pagãs tem o poder de salvá-lo, pois todas operam sob o poder de Lúcifer. Ele pode aparecer como um anjo de luz, e já fez isso muitas vezes, para atrair os fundadores de religiões e seitas a aceitá-lo como o único deus verdadeiro. (Estive no movimento de Nova Era durante 33 anos antes de ser salvo, de modo que sei do que estou falando.)
Se você estiver envolvido com o ocultismo e se sente incapaz de se livrar, pode invocar o nome de Jesus Cristo, para que Ele o salve. Ele tem esse poder e pode libertá-lo da servidão demoníaca que está destruindo sua vida e arrastando-o inexoravelmente para o abismo.
Se você é membro de uma versão falsa de Cristianismo, como o mormonismo, catolicismo romano, ou qualquer outra religião baseada na idolatria, então reconheça que elas são controladas por Satanás. Poucos católicos têm um relacionamento pessoal com Cristo, pois, se tivessem, não pensariam em orar para uma deusa ou para as almas dos mortos. A oração deve ser dirigida a Deus, e somente a Deus.

Bibliografia

  1. Gary Allen, None Dare Call It Conspiracy.
  2. Alice Bailey, The Externalisation of the Hierarchy.
  3. W. Guy Carr, Pawns in the Game, The Red Fog Over America.
  4. Piers Compton, The Broken Cross.
  5. William Cooper, Behold a Pale Horse.
  6. G. Edward Griffin, The Creature from Jekyll Island.
  7. Bill Hughes, The Secret Terrorists.
  8. Gary Kah, En Route to Global Occupation.
  9. David Livingstone, Terrorism and the Illuminati.
  10. Edith Starr Miller, Occult Theocracy.
  11. Stanley Monteith, The Brotherhood of Darkness.
  12. Eric Phelps, Vatican Assassins.
  13. Carroll Quigley, The Anglo-American Establishment, Tragedy and Hope.
  14. Fritz Springmeier, Be Wise As Serpents, Bloodlines of the Illuminati, The Watchtower and the Masons.
  15. Antony Sutton, America’s Secret Establishment, Wall Street and the Bolshevik Revolution, Wall Street and the Rise of Hitler.
Nota: As fotos mostradas anteriormente são dos seguintes indivíduos (da esquerda para a direita): Henry Kissinger, Zbigniew Brzezinski, David Rockefeller, Hank Greenberg, Alan Greenspan, Paul Volcker, George Bush (pai), Hilary Clinton, Dominique Strauss-Kahn, Madeleine Albright, Peter Mandelson e George Soros. Quantos deles são membros da Elite do Poder?


Autor: Jeremy Jones, artigo em http://www.zephaniah.eu
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/mentalidade.asp

Enhanced by Zemanta

As 4 fases do Projeto Blue Beam