domingo, 30 de novembro de 2014

Como a Skynet do Pentágono Automatizará a Guerra



O Pentágono planeja monopolizar os iminentes "avanços transformacionais" na nanotecnologia, robótica e energia, que mostra um futuro sombrio para o mundo. Recomendamos ler também este artigo sobre um documento da NASA publicado em 2001 intitulado "[Documento NASA] - O Futuro da Guerra (2025) - O Futuro é Agora - Transhumanismo, Robôs, Armas do futuro", onde já se previa as tecnologias da guerra do futuro, incluindo nanotecnologia, robótica e inteligência artificial, entre outros.

As autoridades do Pentágono estão preocupadas que os militares americanos estão perdendo sua vantagem em relação aos concorrentes, como a China, e estão dispostos a explorar quase qualquer coisa para se manter no topo, incluindo a criação de versões diluídas do Exterminador.

Devido às revoluções tecnológicas fora de seu controle, o Departamento de Defesa (DoD) antecipa o alvorecer de uma nova era ousada da guerra automatizada dentro de apenas 15 anos. Até lá eles acreditam que as guerras poderão ser combatidas inteiramente usando os sistemas robóticos inteligentes armados com armas avançadas.

Na semana passada, o secretário de Defesa norte-americano Chuck Hagel anunciou a 'Iniciativa de Inovação de Defesa'- um plano de varredura para identificar e desenvolver avanços incisivos de tecnologia de ponta "ao longo dos próximos três a cinco anos e além" para manter a "superioridade tecnológica militar" global dos EUA. As áreas a serem abrangidas pelo programa do DoD incluem robótica, sistemas autônomos, miniaturização, Big Data (processamento de dados em massa) e fabricação avançada, incluindo a impressão 3D.

Mas o quão longe no buraco do coelho a iniciativa de Hagel poderia ir - seja impulsionada pelo desespero, fantasia ou arrogância - é revelado por um negligenciado estudo financiado pelo Pentágono, publicado discretamente em meados de setembro pela Universidade Nacional de Defesa (NDU) e o Center for Technology and National Security Policy, em Washington DC.

A página 72  do documento traz uma visão detalhada sobre as implicações de longo alcance do plano do Pentágono para monopolizar os iminentes "avanços transformacionais" na biotecnologia, robótica e inteligência artificial, tecnologia da informação, nanotecnologia e energia.

A iniciativa de Hagel está sendo supervisionada pelo vice-secretário de defesa Robert O. Work, o principal autor de um relatório lançado em janeiro passado pelo Center for a New American Security (CNAS), "20YY: Preparação para a Guerra na Idade Robótica".

O relatório do trabalho também é fortemente citado no novo estudo publicado pela NDU, a instituição de ensino superior fundada pelo Pentágono que treina os oficiais militares americanos e desenvolve estratégia de segurança nacional do governo e políticas de defesa.

O estudo da NDU adverte que embora a aceleração da mudança tecnológica vá "enfraquecer o mundo economicamente, socialmente, politicamente e militarmente, ela poderia também aumentar a desigualdade da riqueza e estresse social", e argumenta que o Pentágono deve tomar medidas drásticas para evitar a potencial redução do poder militar americano: "Para o DoD se manter como a força militar proeminente do mundo, deve redefinir a sua cultura e os processos organizacionais para tornar-se mais interligado, ágil, e baseado no conhecimento".

Os autores do documento da NDU, Dr James Kadtke e Dr Linton Wells, são experientes conselheiros do Pentágono de longo prazo, ambos afiliados ao centro de tecnologia da NDU, o qual produz pesquisa de "apoio ao Gabinete do Secretário da Defesa, Serviços, e Congresso."
Kadtke era anteriormente um oficial sênior da National Nanotechnology Coordinating Office da Casa Branca, enquanto Wells - que serviu sob Paul Wolfowitz como diretor chefe de informação do DoD e vice-assistente do secretário de defesa - era até junho deste ano Presidente das Forças de Transformação da NDU.

O Big Brother da Big Data

Uma área chave enfatizada pelo estudo de Wells e Kadtke está melhorando a capacidade da comunidade de inteligência dos EUA de analisar automaticamente vastos conjuntos de dados sem a necessidade de intervenção humana.

Salientando que as "informações pessoais sensíveis" podem agora ser facilmente extraídas de fontes online e mídias sociais, eles pedem por políticas de "informações identificáveis ​​pessoalmente (PII) para determinar a capacidade do Departamento de fazer uso de informações de mídia social em contingências domésticas" - em outras palavras, para determinar em que condições o Pentágono pode usar as informações pessoais sobre os cidadãos americanos obtidas através de dados de mineração do Facebook, Twitter, LinkedIn, Flickr e assim por diante.

O estudo deles argumenta que o DoD pode alavancar "a coleta de dados em larga escala" para a medicina e sociedade, por meio de "monitoramento de indivíduos e populações que utilizam sensores, dispositivos vestíveis e a Internet das coisas [IoT]", que juntos "irão fornecer detecção e análise preditiva". O Pentágono pode construir a capacidade para isso "em parceria com grandes fornecedores do setor privado, onde as soluções mais inovadoras estão atualmente em desenvolvimento".

Em particular, o Pentágono deve melhorar a sua capacidade para analisar conjuntos de dados de forma rápida, através do investimento em "técnicas automatizadas de análise, análise de texto, e técnicas de interface do usuário para reduzir o tempo de ciclo e necessidades de mão de obra exigida para a análise de grandes conjuntos de dados".

Kadtke e Wells querem que os militares dos EUA tirem proveito da crescente interconexão das pessoas e dispositivos através da nova "Internet das Coisas", através do uso de "sistemas embutidos" em "automóveis, fábricas, infra-estrutura, aparelhos e casas, animais de estimação, e potencialmente, dentro dos seres humanos". Devido ao advento da "nuvem robótica... a linha entre a robótica convencional e os dispositivos inteligentes diários vai se tornar cada vez mais ténue".

A nuvem robótica, um termo cunhado pelo novo chefe de robótica do Google, James Kuffner, permite que os robôs ampliem as suas capacidades através da conexão pela internet para compartilhar recursos online e colaborar com outras máquinas. Em 2030, quase todos os aspectos da sociedade global poderiam se tornar, em suas palavras, "instrumentada, ligadas em rede, e potencialmente disponíveis para o controle através da Internet, em uma hierarquia de sistemas ciber-físicos".

No entanto, a aplicação militar mais direta de tais tecnologias, o estudo do Pentágono conclui que, estará no "Command-Control-Communications, Computers and Intelligence-Surveillance-Reconnaissance (C4ISR)" (que pode ser traduzido como "Comando-Controle-Comunicações, Inteligência-Vigilância-Reconhecimento Computadorizado") - um campo liderado por "organizações de nível mundial, como a Agência Nacional de Segurança (NSA). "
Hábil eliminador de bots na nuvem

Dentro deste contexto da Big Data e nuvem robótica, Kadtke e Wells se entusiasmam ao falar que conforme os sistemas robóticos não tripulados ficam mais inteligentes, a fabricação barata de "exércitos de assassinos de robôs que podem guerrear sozinhos" será em breve uma realidade. Os robôs também poderiam tornar-se incorporados na vida civil para executar a "vigilância, monitoramento de infra-estrutura, telepresença da polícia e aplicações de segurança nacional".

O principal desafio para tal institucionalização robótica virá de uma "repercussão política" para robôs serem capazes de determinar por si mesmos quando matar.

Para contrariar acusações públicas, eles defendem que o Pentágono deve ser "altamente pró-ativo" no sentido de garantir que "não seja percebida como a criação de sistemas de armas sem "humanos no meio". Pode ser que DoD deva publicamente auto-limitar sua doutrina operacional no uso de tais sistemas para diminuir a reação pública ou internacional para o seu desenvolvimento de sistemas autônomos. "

Apesar deste ação de relações públicas, eles recomendam que DoD ainda deve "permanecer à frente da curva", desenvolvendo "doutrina operacional para as forças composta significativamente ou até inteiramente de elementos não-tripulados ou autônomos."

O argumento consiste em "suplementar ou substituir os operadores humanos" tanto quanto possível, especialmente para missões que são "perigosas", "impraticáveis" ou "impossíveis" para os seres humanos (como, talvez, todas as guerras?). Em apenas cinco anos, o estudo relata que, as pesquisas do Pentágono para melhorar a inteligência de robôs vai ter "avanços significativos".

Skynet na década de 2020?

Talvez a dimensão mais perturbadora entre as percepções do estudo da NDU seja a perspectiva de que, na próxima década, a pesquisa da inteligência artificial (IA) poderia gerar uma "IA forte" - ou, pelo menos, uma forma de "IA fraca" que aproxima algumas características da anterior.

A IA forte deve ser capaz de simular uma ampla gama de cognição humana, e inclui características como a consciência, sensibilidade, sabedoria ou auto-consciência. Muitos acreditam agora que, Kadtke e Wells mencionam que a "IA forte pode ser alcançada em algum momento da década de 2020".
Eles relatam que uma série de avanços tecnológicos apoiam "esse otimismo", especialmente que os "processadores de computador provavelmente irão atingir o poder computacional do cérebro humano em algum momento da década de 2020" - a Intel visa atingir este marco em 2018. Outros avanços relevantes em desenvolvimento incluem "simulações cerebrais completas, computadores neuro-sinápticos e sistemas de representação de conhecimento geral, tais como o IBM Watson".

Enquanto os custos da fabricação robótica e de computação em nuvem despencam, o estudo da NDU diz que os avanços da IA poderiam até permitir a automação de funções militares de alto nível como "solução de problemas", "desenvolvimento de estratégia" ou "planejamento operacional".
"A longo prazo, soldados totalmente robóticos podem ser desenvolvidos e implementados, particularmente por países mais ricos".
"A longo prazo, soldados totalmente robóticos podem ser desenvolvidos e implementados, especialmente por parte dos países mais ricos", diz o estudo (felizmente, planos de acrescentar "tecido vivo" exterior não são mencionados).

Mas se as ressalvas do bilionário empresário da tecnologia, Ellon Musk  significam alguma coisa, a arrogância do Pentágono está profundamente fora de propósito. Musk, um dos primeiros investidores na empresa de IA DeepMind, agora propriedade do Google, alertou sobre "algo perigoso" para acontecer em cinco anos, devido ao crescimento "perto do exponencial" da IA da empresa - e que alguns especialistas de IA concordam.

Como se isso não fosse preocupante o suficiente, Kadtke e Wells continuam a traçar uma evolução significativa em uma ampla gama de outras tecnologias significativas. Eles apontam para o desenvolvimento de Armas de Energia Direta (DEW) que projetam radiação eletromagnética como a luz a laser, e que já estão sendo implantadas em forma de teste.

Em Agosto deste ano, a USS Ponce desenvolveu um canhão com um laser operacional - um assunto que só foi relatado nos últimos dias. Os autores da NDU preveem que as DEWs, "serão uma tecnologia militar muito perturbadora" devido a "características únicas, como a de tempo de voo quase zero, alta precisão, e um paiol efetivamente infinito". O Pentágono planeja implantar amplamente as DEWs a bordo de navios em poucos anos.

O Pentágono também quer desenvolver tecnologias que poderiam 'melhorar' o físico, o psicológico e a cognição humana. O estudo da NDU cataloga uma série de domínios relevantes, incluindo "medicina (genética) personalizada, tecidos e regeneração de órgãos via células-tronco, implantes como chips de computadores e dispositivos de comunicação, próteses robóticas, interfaces cérebro-máquina diretas, e comunicações cérebro-cérebro potencialmente diretas".

Outra área em avanço de desenvolvimento inovador está a biologia sintética (Synbio). Os cientistas recentemente criaram células com DNA compostas de aminoácidos não-naturais, abrindo a porta para criar "formas de vida projetadas" inteiramente novas,  o relatório do Pentágono se entusiasma, e os projetariam com "propriedades especializadas e exóticas".

Kadtke e Wells salientaram uma recente avaliação do Pentágono da pesquisa Synbio atual sugerindo que, "uma grande promessa para a engenharia de organismos sintéticos úteis para uma série de 'aplicações relevantes de defesa'".

Já é possível substituir órgãos por dispositivos electro-mecânicos artificiais para uma ampla gama de partes do corpo. Citando uma pesquisa em andamento do exército americano em "cognição e neuro-ergonomia", Kadtke e Wells previram: "Pulmões artificiais confiáveis, implantes de olhos e ouvidos e músculos, provavelmente todos estarão comercialmente disponíveis dentro de 5 a 10 anos". Ainda mais radicalmente, eles observam a possibilidade emergente de usar células-tronco para regenerar cada parte do corpo humano.

Misturar tais desenvolvimentos com a robótica tem outras implicações radicais. Os autores destacam demonstrações de sucesso de implantação de memória de silício e processadores dentro do cérebro, bem como "dispositivos controladores de pensamento". A longo prazo, esses avanços poderiam fazer os "dispositivos vestíveis" como o Google Glass, se parecerem como fósseis antigos, substituídos por "sistemas homem-máquina distribuídos que utilizam interfaces cérebro-máquina e processadores analógicos fisiomiméticos, bem como sistemas cibernéticos híbridos, os quais poderiam fornecer exploração de dados e análise humana ininterrupta e aprimorada artificialmente".

Todos nós somos suspeitos de terrorismo

Tomados em conjunto, as "revoluções científicas" catalogadas pelo relatório da NDU, se militarizadas, concederiam ao Departamento de Defesa (DoD) "novas capacidades perturbadoras"  de uma qualidade quase totalitária.

Como me foi dito pelo ex-executivo sênior da NSA, Thomas Drake, o denunciante que inspirou Edward Snowden, a investigação em curso financiada pelo Pentágono sobre mineração de dados alimenta diretamente o ajuste-fino dos algoritmos utilizados pela comunidade de inteligência dos EUA para identificar não apenas "terroristas suspeitos", mas também alvos para ataques de drones das listas de morte da CIA.

Quase metade das pessoas na lista de observação de terrorismo do governo dos EUA dos "terroristas conhecidos ou suspeitos" têm "nenhuma afiliação a grupos terroristas reconhecidos", e mais da metade das vítimas de ataques de drones da CIA ao longo de um único ano foram "avaliados", como "extremistas afegãos, paquistaneses e desconhecidos" - entre outros estão os meramente "suspeitos, associados, ou que provavelmente", pertenciam a grupos militantes não identificados. Inúmeros estudos mostram que um número substancial de vítimas de ataque de drones são civis - e uma administração secreta de Obama liberou um memorando neste verão sob alei de Liberdade de Informação que revela que o programa de drones autoriza a matança de civis, como um dano colateral inevitável.
Na verdade, suposições erradas nos sistemas de classificação do Pentágono para avaliação da ameaça significa que até mesmo os  "ativistas políticos não violentos" pode ser confundidos com potenciais "extremistas", que "apoiam a violência política" e, portanto, representam uma ameaça para os interesses dos EUA.

Está longe de ser evidente que a visão Skynet do Pentágono de guerra do futuro vai realmente chegar a ser concretizada. Que a aspiração está sendo perseguida tão fervorosamente em nome da "segurança nacional", na era da não menos austeridade, certamente levanta questões sobre se a força militar mais poderosa do mundo não está perdendo tanto a sua vantagem, como está perdendo o enredo.

Leia mais: http://www.anovaordemmundial.com/2014/11/como-skynet-do-pentagono-automatizaria-a-guerra.html#ixzz3KaxRDR8J

domingo, 16 de novembro de 2014

A ONU Está Utilizando Vacinas para Esterilizar Secretamente as Mulheres no Mundo Todo

Em algumas áreas do mundo, reduzir propositadamente a linhagem da família de alguém é considerado uma das coisas mais perversas que você pode fazer. Mas isso parece ser exatamente o que a ONU está fazendo. Duas organizações das Nações Unidas, a OMS e a UNICEF, foram surpreendidas em flagrante administrando "vacinas contra o tétano" contendo agentes esterilizantes em meninas e mulheres no Quênia. E, como você verá a seguir, esta não é a primeira vez que isso aconteceu.

Aparentemente, há um programa internacional bem coordenado para usar vacinas para esterilizar secretamente mulheres em países pobres em todo o planeta. Os Estados Unidos precisam exigir imediatamente uma investigação completa do programa de vacina da ONU, mas eu não contaria com isso sob a administração Obama.

Sempre houveram histórias ocasionais de mulheres do mundo todo tornando-se incapazes de ter filhos depois de receber as vacinas da ONU. Mas agora temos a prova científica. Os testes de laboratório que foram realizados recentemente encontraram um antígeno que provoca abortos nas vacinas que estavam sendo dadas a meninas e mulheres no Quênia. Uma história que foi postada no Life Site News sobre isso causou ondas de choque em toda a Internet. A seguir está um trecho do artigo:

    Os bispos católicos do Quênia estão cobrando duas organizações das Nações Unidas a respeito da esterilização milhões de meninas e mulheres sob o pretexto de um programa de inoculação antitetânica patrocinado pelo governo queniano.
    De acordo com um comunicado divulgado na terça-feira pela Kenya Catholic Doctors Association, a organização encontrou um antígeno que provoca abortos em uma vacina que está sendo administrada em 2,3 milhões de meninas e mulheres pela Organização Mundial de Saúde e UNICEF. Os sacerdotes em todo o Quênia estão declaradamente aconselhando as suas congregações a recusarem a vacina.
    "Enviamos seis amostras de todo o Quênia a laboratórios na África do Sul. Eles testaram positivo para o antígeno hCG", disse o Dr. Muhame Ngare do Centro Médico Mercy, em Nairóbi ao LifeSiteNews. "Todas elas estavam contaminadas com o hCG".


Então o que é hCG exatamente?

A seguir está como o site Natural New descreveu o que ele faz ...

    O HCG é um produto químico desenvolvido pela Organização Mundial da Saúde para fins de esterilização. Quando injetado no corpo de uma mulher, ele faz com que uma gravidez seja destruída pela própria resposta dos anticorpos do organismo ao hCG, resultando em um aborto espontâneo. A sua eficácia dura por anos, causando abortos em mulheres por até três anos após as injeções.

Isto é um escândalo absolutamente horrível, mas a grande mídia está ignorando totalmente.

Talvez seja porque eles concordem com o que as Nações Unidas estão tentando fazer.

E devemos realmente nos surpreender com o que a ONU está fazendo? Afinal, a ONU declarou publicamente por escrito, a sua intenção de reduzir o crescimento populacional no Quênia:

As Nações Unidas e seu aparato de controle populacional muitas vezes bárbaros estão sob fogo cruzado de novo depois de liberar um relatório profundamente controverso, alegando que a população africana do Quênia é muito grande e cresce muito rapidamente. Para lidar com o suposto "desafio", como a ONU e seus "parceiros" no governo nacional colocaram, os burocratas internacionais estão exigindo a intensificação dos esforços em fazer lavagem cerebral nas mulheres quenianas para que elas queiram menos filhos. Também na agenda: mais "planejamento familiar" financiado pelo contribuinte e esquemas de "saúde reprodutiva" para reduzir o número de africanos aos níveis considerados "desejáveis" pela ONU.

Os críticos prontamente desaprovaram a conspiração como uma eugenia indisfarçável, com alguns especialistas chamando-a de um verdadeiro exemplo de "guerra contra as mulheres". Entre outras preocupações, os analistas indignados com o relatório observaram que o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e os esforços diabólicos do estabelecimento para reduzir as populações humanas - especialmente aquelas consideradas "indesejáveis" pelos auto-intitulados guardiães do patrimônio genético - têm uma longa e sórdida história que remonta décadas. Hoje, a agenda avança, como ilustrada no último relatório da ONU que clama por números drasticamente reduzidos de quenianos.

Quando as pessoas muito más lhe disserem que eles pretendem fazer alguma coisa, você deve levá-las muito a sério.

E, sem dúvida, a ONU é o mal. Usar as vacinas para esterilizar secretamente as mulheres contra a sua vontade é quase perverso demais para descrever com palavras.

Mas a ONU vai continuar fazendo isso até nós exigirmos que eles parem. Na década de 1990, as campanhas de esterilização semelhantes usando vacinas contra o tétano foram realizadas na Nicarágua, México e Filipinas. A seguir, proveniente do site thinktwice.com...

Aqui estão os fatos conhecidos sobre as campanhas de vacinação contra o tétano no México e nas Filipinas:

* Apenas as mulheres são vacinadas, e apenas as mulheres entre as idades de 15 e 45. (Na Nicarágua, a faixa etária era entre 12 e 49.) Mas os homens não estão, pelo menos, tão suscetíveis quanto as mulheres jovens a entrar em contacto com o tétano? E o que dizer das crianças? Por que eles são excluídos?

* O hormônio Gonadotrofina Coriônica humana (hCG) foi encontrado nas vacinas. Ele não pertence a ela - no jargão do julgamento de assassinato de O.J. Simpson, a vacina foi "contaminada".

* Os protocolos destas vacinações pedem múltiplas injeções - de três em três meses e um total de cinco ao todo. Mas, uma vez que as vacinas contra o tétano fornecem proteção para 10 anos ou mais, por que são pedidas várias inoculações? (3)

* A OMS tem estado ativamente envolvida por mais de 20 anos no desenvolvimento de uma vacina anti-fertilidade, utilizando o hCG ligado ao toxoide do tétano como um transportador - a mesma ligação que foi encontrada nas vacinas do México-Filipina-Nicarágua. (4)

E estes são apenas os incidentes que conhecemos.

Eu acho que seria seguro dizer que onde quer que a ONU esteja vacinando pessoas contra o tétano em todo o mundo, provavelmente há agentes esterilizantes nessas vacinas.

Enquanto isso, a ONU continua a derramar dinheiro em outros métodos de esterilização globais.

Por exemplo, a ONU dedicou enormes quantidades de recursos para apoiar a "política do filho único" na China.

Leia também: Política Global do Filho Único, Pandemias e Guerras - Como a Elite Pretende Reduzir a População

E na Índia, o dinheiro da ONU é muitas vezes usado para fornecer incentivos financeiros para as mulheres a se voluntariarem para a esterilização.

Neste momento, cerca de 37 por cento de todas as mulheres casadas na nação da Índia foram esterilizadas. Esse é um número absolutamente espantoso. Na verdade, ele é tão surpreendente que eu mal podia acreditar quando eu vi pela primeira vez.

Mas é realmente verdade.

E muitas vezes, estes procedimentos não são conduzidos com segurança. De fato, uma recente campanha de esterilização em massa resultou na morte de dez mulheres...

Dez mulheres morreram na Índia e dezenas de outras estão no hospital, muitas em estado crítico após uma esterilização estatal em massa, disse uma autoridade local nesta terça-feira.

Muitas das mais de 80 mulheres que se submeteram à esterilização no acampamento administrado pelo governo livre no estado central de Chhattisgarh no sábado adoeceram pouco depois, disse o funcionário à AFP.

É claro que os Estados Unidos não é completamente inocente em tudo isso. Estas organizações das Nações Unidas são absolutamente inundadas com dinheiro pela administração Obama, e o governo dos EUA ainda tem uma "Agência de Assuntos da População", que é usado para promover o controle da população em todo o planeta.

Os envolvidos nesses esforços realmente acreditam que estão fazendo a coisa certa. Eles estão convencidos de que a "mudança climática" é o problema número um que a humanidade enfrenta hoje e que o caminho número um para combater a "mudança climática" é reduzir o número de pessoas.

Então, eles acreditam que estão realmente "salvando o mundo", empurrando uma agenda de controle populacional.

Para muito, muito mais sobre tudo isso, por favor consulte os seguintes artigos (em inglês)...

- "A Agenda de Controle Populacional está sendo implacavelmente forçada em escolas públicas americanas"

- "De 7 Bilhões de Pessoas a 500 milhões de Pessoas - A Doente Agenda de Controle Populacional da Elite Global"

- "Al Gore, a Agenda 21 e controle populacional"

- "Os Governos de Todo o Mundo Estão Avidamente Adotando a Rigorosa Agenda de Controle Populacional das Nações Unidas"

- "Sim, Eles Realmente Querem Reduzir a População - 22 Citações Chocantes do Controle Populacional  da Elite Global que Fará Você Perder o seu Apetite"

Agora que as ações perversas da ONU no Quênia foram expostas, os funcionários da ONU vão assistir de perto como as pessoas reagem.

Se há pouca indignação, eles vão apenas manter secretamente a esterilização sobre as mulheres.

É por isso que ela é absolutamente indispensável nós gritarmos "assassinato sangrento" sobre tudo isso. Um grande mal está sendo cometido bem na frente dos nossos olhos, e aqueles com coragem precisam se levantar e dizer que é o bastante.

Leia mais: http://www.anovaordemmundial.com/2014/11/a-onu-esta-utilizando-vacinas-para-esterilizar-secretamente-as-mulheres-no-mundo-todo.html#ixzz3JHVRNZx3

sábado, 1 de novembro de 2014

O Transumanismo e Suas Implicações Religiosas, Políticas e Sociais

Forcing Change, Volume 6, Edição 4.

Parte 1:

A Doutrina do Homem: Uma Crítica ao Transumanismo Cristão

Autor: Chris D. Putnam
Nota: Chris Putnam ofereceu gentilmente este seu excelente ensaio para publicação em Forcing Change. Chris é um pesquisador, autor e conferencista sobre apologética cristã. Seu site na Internet é http://www.logosapologia.org).

Introdução

O propósito deste ensaio é tratar algumas das muitas implicações teológicas que envolvem o Transumanismo, especialmente em relação à sua consistência com uma cosmovisão cristã. O tópico é tão amplo que pode ser melhor tratado paradigmaticamente, examinando suas tecnologias e filosofias fundamentais. Esta apresentação fará primeiro um breve resumo do tópico e depois apresentará uma visão geral das tecnologias envolvidas. À medida que as tecnologias forem discutidas, algumas críticas específicas serão feitas e respostas cristãs apresentadas. Em seguida, veremos as questões teológicas.
Primeiro, analisaremos os fundamentos filosóficos do movimento e depois interagiremos especificamente com os proponentes mais visíveis que tentam reconciliá-lo teologicamente com o Cristianismo. Os principais pontos oferecidos em defesa da tese são que os promotores do Transumanismo cristão são dirigidos por uma antropologia sem base bíblica, uma visão pelagiana do pecado e um profundo erro de compreensão da vida cristã, todos os quais característicos do liberalismo teológico.
O primeiro ponto de análise será a antropologia, que naturalmente influencia as pessoas a rejeitarem o relato bíblico da Criação e do pecado original. A negação da autoridade das Escrituras nas questões da origens e do pecado resulta na adoção de uma cosmovisão naturalista e leva a uma abertura para ideias como o Transumanismo cristão. Isto será revelado como arrogância e um pecado potencialmente grave.
Finalmente, algumas sugestões serão oferecidas como uma resposta cristã. Este ensaio demonstrará que, embora existam alguns que afirmem serem Transumanistas cristãos, o Transumanismo é uma cosmovisão antropocêntrica baseada em pressupostos naturalistas e que é incompatível com o Cristianismo bíblico ortodoxo.

Resumo

O Transumanismo está no caminho de se tornar uma cruzada cultural e internacional que promete romper as limitações humanas e reprojetar de forma radical a humanidade. Defendo a opinião que o Transumanismo atende à definição básica de uma religião e cosmovisão. Os aderentes dessa cosmovisão planejam estender a duração da vida, aumentar a capacidade dos sentidos, expandir grandemente a capacidade de memória e, de um modo geral, usar a tecnologia para aprimorar a condição humana. É tentador intentar depreciar o Transumanismo como imaginações fantásticas de alguns excêntricos e fãs de ficção científica. Entretanto, esses indivíduos não são simples malucos; ao revés, são professores de universidades de primeira linha, como Yale, MIT e Oxford e têm uma visão secularizada do futuro, uma escatologia alternativa, por assim dizer. A Bíblia promete o mesmo por meio de Cristo. Essas duas visões não são compatíveis e uma colisão cultural será inevitável.
A filosofia moderna do Transumanismo foi criada em 1990 por Max More, no ensaio "Transhumanism: Toward a Futurist Philosophy" (Transumanismo: Rumo a uma Filosofia Futurista). De acordo como More, "o Transumanismo é uma classe de filosofias que querem nos guiar rumo a uma condição pós-humana." [1].
More é abertamente antiteísta, o que será tratado na seção de interação crítica. O filósofo Nick Bostrom, da Universidade de Oxford, refinou e amenizou a posição inicialmente virulenta de More. Todavia, a maioria dos transumanistas é formada por ateístas ou agnósticos, e a crítica que "eles estão brincando de Deus" não os perturba nem um pouco. [2]. Com base na premissa que a Evolução naturalista é verdadeira, o Transumanismo procura moldar a espécie humana por meio da aplicação direta da tecnologia. Entretanto, isto depende de uma infinidade de variáveis. Poderemos terminar com o homem de seis milhões de dólares, ou com o monstro Frankenstein. Existe um estado de perplexidade nas perguntas. O que significa ser pós-humano? Quais são as consequências espirituais? E a alma? Um cristão pode ser transumanista? Embora estas questões permaneçam sem respostas, existem aqueles que tentam fundir o Cristianismo com o Transumanismo. Uma resposta para a última questão será oferecida perto do fim deste ensaio.
O consenso cristão ocidental passou para a história e estamos agora vivendo em uma era pós-cristã. O secularismo está se tornando cada vez mais agressivo, encontrando voz no Movimento Neoateísta, que tem como seus principais expoentes Richard Dawkins, Daniel Dennet, Christopher Hitchens e Sam Harris. A retórica deles de cientificismo triunfante é o Zeitgeist (o espírito do tempo) do século 21. Em grande parte, os transumanistas compartilham essa fé devotada na ciência, porém a cosmovisão transumanista é mais enigmática.
Não pode haver dúvidas que o progresso científico e os avanços técnicos estão agora preparados para transformar radicalmente a humanidade. Isto está caminhando em um ritmo tão rápido que é imperativo que os cristãos atentos ofereçam uma perspectiva bíblica no mercado de ideias. Embora isto esteja se tornando cada vez mais impopular, não devemos nos atemorizar. Esta questão tem enormes implicações para a teologia.
Infelizmente, muito pouco até aqui foi escrito sobre o Transumanismo dentro dos círculos evangélicos conservadores. Existe uma Associação Mórmon Transumanista, o que não é surpreendente, tendo em vista o politeísmo e a doutrina da apoteose do homem, que os mórmons possuem. [3]. No nível popular, existem dois sítios na Internet criados por um instrutor de operações nucleares, James Ledford, chamados Technical-Jesus.com e HyperEvolution.com, bem como um livro que ele mesmo publicou e que promove o "Transumanismo cristão". [4]. O teólogo Paul Tillich é frequentemente citado em suporte.

Ultimamente, o Transumanismo tem encontrado justificação teológica em obras de teólogos da Igreja Evangélica Luterana da América, como Phillip Hefner, Ted Peters, e outros. Na verdade, no inverno de 2005, toda uma edição da revista luterana Dialog foi dedicada ao assunto. [5]. A missão dos luteranos parece bem-intencionada, tentando fazer uma ponte entre a ciência e a fé. Eles são bem-vindos em arenas em grande parte seculares e o trabalho deles está sendo considerado com seriedade. Infelizmente, com exceção de Thomas Horn, vozes cristãs conservadoras não estão sendo ouvidas, embora talvez elas também não sejam bem-vindas. [6].
Bostrom, Hefner e Ledford argumentam que não há nada de errado com o fato de um cristão adotar uma cosmovisão transumanista. Eu discordo pelas razões que serão discutidas na seção de interação crítica deste ensaio. Primeiro, para compreender essa cosmovisão, precisamos investigar rapidamente a ciência e a tecnologia que estão por trás dela.

A Tecnologia

O Transumanismo é dirigido pelo ambicioso rolo compressor da moderna revolução científica e tecnológica. Todas as tecnologias subjacentes ao Transumanismo são partes da explosão da biotecnologia e incluem genética, neurofarmacologia, robótica, cibernética, inteligência artificial e nanotecnologia. Todas elas estão interrelacionadas e são alimentadas pela sempre crescente capacidade computacional, que, segundo a Lei de Moore, dobra a cada dois anos.
Para o propósito desta discussão, examinaremos essas tecnologias de um modo muito limitado em duas categorias amplas: a biológica/genética e as tecnologias eletromecânicas dos computadores. Dessas duas, a primeira tem recebido mais atenção por parte dos pensadores cristãos, devido a questões como a pesquisa com células-tronco, clonagem e o holocausto infantil mundial. Como resultado, os cristãos têm uma posição coerente sobre o valor intrínseco de toda a vida humana desde a concepção até a velhice. Portanto, a posição básica expressa por Francis Beckwith no debate sobre o aborto é uma boa plataforma a partir de onde começar. [7]. Entretanto, um dos novos grandes desafios que estão diante dos pensadores cristãos é nossa recém-adquirida capacidade de alterar a natureza para nossos próprios fins, por meio da engenharia genética e da biotecnologia.

A descoberta do ácido desoxirribonucleico (DNA) por James Watson e Francis Crick, em 1954, abriu a arquitetura da vida à intervenção humana de uma maneira que era inconcebível anteriormente. Em 2003, o Projeto do Genoma Humano produziu um mapa completo do genoma humano. Consequentemente, somos agora capazes de usar a engenharia genética para alterar a nós mesmos. O procedimento menos controverso é a terapia somática dos genes celulares, que envolve a inserção de material genético saudável em pacientes com doenças, como a Doença de Hunington. [8].
O procedimento secundário é chamado de terapia genética germinal e envolve rearranjar o material genético defeituoso de um modo que produza genes saudáveis. Esta técnica aumenta as possibilidades que as alterações sejam passadas para os descendentes. [9]. Assim, segue-se que poderíamos alterar permanentemente as espécies com esta tecnologia. A atual terapia genética é experimental e a FDA (Food and Drug Administration; NT: órgão regulador das indústrias farmacêutica e de alimentos nos EUA) está se movendo com cautela, pois essas técnicas estão agora sendo desenvolvidas para propósitos terapêuticos. [10]. Entretanto, não é difícil imaginar o uso delas pelos militares, engenheiros sociais e transumanistas utópicos.
A terapia do aprimoramento genético é algo à qual os cristãos devem se opor. Ela envolve a introdução de novos materiais genéticos simplesmente para aprimorar as capacidades humanas. Os transumanistas preveem a alteração ou até a adição do DNA de outras espécies dentro do código humano para criar o "Humano Mais" — essencialmente, um ser humano geneticamente modificado. [11].
Uma analogia instrutiva é considerar a diferença entre o diabetes e o uso da insulina e um atleta usar anabolizantes. Há uma clara e normativa distinção moral, uma distinção que deveria formar o consenso cristão. Até mesmo em uma base secular, a melhoria também apresenta um risco mais alto. Corrigir um gene defeituoso com o que já deveria estar ali apresenta baixo risco para o paciente, mas adicionar alguma coisa nova pode afetar adversamente inúmeros caminhos bioquímicos relacionados. [12]. Assim, é vitalmente importante distinguir os procedimentos terapêuticos do aprimoramento. Finalmente, a ética bíblica desincentiva o aprimoramento genético, porque os cristãos são chamados para seguirem o modelo de Cristo em autonegação e humildade. (Lucas 9:23; Mateus 23:12; Romanos 12:1,16).
A categoria mais controversa é a engenharia eugenista, que envolve direcionar características para melhorar um banco genético específico. [13]. Isto traz à mente os livros Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, publicado em 1932, e A Abolição do Homem, de C. S. Lewis, publicado em 1947, ambos previsões prescientes, porém perturbadoras dos nossos atuais dilemas morais. Embora a engenharia eugenista possa parecer extremamente insípida, a ideia está sendo discutida dentro dos círculos de intelectuais. Em um livro recente que discute as ideias perigosas, o biólogo evolucionista e expoente do ateísmo Richard Dawkings (foto à direita), lamenta que antes de Hitler, os cientistas nos anos 1920s e 1930s não tinham problemas de consciência com a ideia de bebês de projeto. Ele então considerou:
"Eu me pergunto se, mais de sessenta anos após a morte de Hitler, poderíamos pelo menos nos aventurar a perguntar qual é a diferença moral entre gerar filhos com capacidade musical e forçar uma criança a receber lições de música? Ou, por que é aceitável treinar corredores velozes e saltadores, mas não criá-los por via reprodutiva?" [14].
Além da imagem de Deus em todas as pessoas (Gênesis 1:26-27), não existem fundamentos para resistir ao ímpeto atual pró-engenharia social. Afinal, o atual uso generalizado dos exames genéticos pré-natais é uma forma privada disso. Talvez o mundo de Huxley, de reprodução compulsória em tubos de ensaio não esteja tão longe no nosso futuro? A verdade desconfortável é que hoje, podemos fazer isto. O filósofo, economista político e autor americano Francis Fukuyama, concorda. Ele afirma que "a ameaça mais significativa representada pela biotecnologia contemporânea é a possibilidade de ela alterar a natureza humana e, desse modo, nos levar para um estágio 'pós-humano' da história." [15].
Infelizmente, hoje existem caminhos concorrentes para esse fim. Outras tendências perturbadoras incluem a clonagem humana, a produção de quimeras animais e humanas e o uso de drogas psicoativas. Agora que a clonagem humana é possível, está sendo proposta a utilização de tecidos fetais coletados de fetos clonados, ou geneticamente criados por engenharia, na terapia de genes, ou até para uso como peças sobressalentes. [16]. Em 2007, os cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Nevada criaram uma ovelha que tinha 15% de células humanas e 85% de células de carneiro. [17]. Além disso, a neurofarmacologia já está sendo amplamente usada para controlar o comportamento e as emoções. Embora existam usos legítimos, drogas psicotrópicas, como a Ritalina, estão sendo distribuídas às crianças em idade escolar de forma rotineira. O Prozac e seus similares estão sendo consumidos por 28 milhões de americanos, ou 10% da população. [18]. Isto parece estar caminhando para aquilo que os transumanistas otimisticamente veem como uma utopia induzida por meios bioquímicos:
"Tecnologias como interfaces cérebro-computador e a neurofarmacologia poderão amplificar a inteligência humana, aumentar o bem-estar emocional, melhorar nossa capacidade de comprometimento contínuo com os projetos da vida, ou com uma pessoa amada, e até multiplicar a variedade e riqueza das emoções possíveis." [19].
À luz da história do século 20, isto parece ingênuo, no mínimo. A cosmovisão secular, enraizada no reducionismo materialista e no determinismo genético, deixa pouco espaço para a dignidade inerentes de toda a vida humana. Preparados ou não, já entramos no admirável mundo novo. Em 1965, o cofundador da Intel, Gordon E. Moore, escreveu um trabalho de pesquisa em que descreveu a tendência de aumento na velocidade dos circuitos microeletrônicos, que veio a ser chamada de Lei de Moore. A lei descreve a propensão persistente do poder computacional dobrar a cada dois anos. Esse padrão tem se mantido e é, na verdade, considerado uma estimativa conservadora para o crescimento futuro. Com base nisto, o cientista do MIT, futurista e autor Ray Kurzweil (fotografia à direita) predisse aquilo que veio a ser chamado de "Singularidade" — um ponto no tempo em que a inteligência artificial supera as capacidades humanas e começa a projetar novas tecnologias sozinha. [20]. Neste tempo, ele prediz que o crescimento tecnológico será vertical na curva exponencial.
Kurzweil também visualiza o próximo passo na evolução humana como a união do homem com a máquina. Na realidade, não é tão fantástico quanto parece. Atualmente, implantes estão sendo feitos no cérebro de modo a restaurar a capacidade auditiva. As interfaces cérebro-máquina estão sendo usadas para "ajudar pacientes paralisados, habilitando-os a operar máquinas com gravações de suas próprias atividades neurais." [21]. Hoje, tecnologias similares estão disponíveis para jogos de computador, como eletrônica de consumo. [22]. Isto é real, está crescendo e não vai desaparecer. O entusiasmo otimista de Kurzweil pelo progresso é emocionante e é fácil compreender a atração que isto exerce sobre os amantes da tecnologia.
Kurzweil é, inegavelmente, um dos principais inventores do nosso tempo e tem sido chamado de "o herdeiro legítimo de Thomas Edison". [23]. Se alguém postulasse que o Transumanismo é uma religião, os livros de Kurzweil, The Age of Spiritual Machines (A Era das Máquinas Espirituais) e The Singularity is Near (A Singularidade Está Próxima), provavelmente seriam considerados textos sagrados. Kurzweil desenvolve sua apresentação com base no paradigma da Evolução natural, dedicando uma grande seção do seu livro The Age of Spiritual Machines para estruturar o Transumanismo como uma consequência evolucionária inevitável.
O paradigma da Evolução Darwiniana é um pressuposto fundamental no conceito de Kurzweil, pois ele propõe que algoritmos computacionais modelam explicitamente a seleção natural. [24]. Ele argumenta que esta e outras heurísticas derivadas pela engenharia reversa do cérebro humano, combinadas com a tecnologia das redes neurais, prometem o rápido desenvolvimento da inteligência artificial senciente e consciente. [25]. Portanto, ele prediz que os computadores alcançarão a capacidade de memória e velocidade computacional do cérebro humano por volta do ano 2020.
Além disso, Kurzweil prediz que por volta de 2029, o computador de 1.000 dólares será mil vezes mais poderoso do que o cérebro humano, e que implantes de circuitos computacionais projetados para conexão direta com o cérebro estarão amplamente disponíveis. [26]. Com relação à inteligência artificial, ele prediz que por volta de 2029: "As máquinas afirmarão que possuem consciência e um conjunto tão amplo de experiências emocionais e espirituais quanto seus progenitores humanos, e essas afirmações terão ampla aceitação." [27].
Ele também prediz que, eventualmente, a consciência humana poderá ser transferida (baixada) para os computadores, introduzindo a imortalidade. A afirmação é a seguinte: Por volta de 2099, as máquinas e os seres humanos se fundirão em um ponto em que não haverá distinção entre homem e máquina, ou entre real e virtual, eliminando assim todas as guerras, a pobreza, a morte e as doenças. [28]. Esta promessa parece ser familiar para você? (Veja Apocalipse 21:4)

Crítica Teológica

A escatologia transumanista da transferência da consciência humana para um computador está repleta de suposições sem fundamento. Eles simplesmente negam a alma a priori, vendo a consciência como puramente um epifenômeno. Nossos corpos são considerados simples matéria (como o hardware do computador) uma prótese biológica, que podemos recriar e aprimorar pela engenharia. Eles veem a natureza essencial do nosso ser como padrões de informações e dados armazenados no cérebro. [29].
Consequentemente, os transumanistas imaginam que a imortalidade possa ser obtida por meio da transferência de si mesmos para dentro dos computadores, na forma de seus padrões cerebrais. Kurzweil chama isto de patternism. [30]. O teólogo luterano da Igreja Evangélica Luterana da América, Ted Peters, tratou este assunto, observando que "ele assume que a inteligência humana e a personalidade humana possam se tornar desencarnadas." [31].
Isto cria uma interessante dissonância com o típico paradigma da identidade naturalista mente-corpo. Em típica linguagem teológica liberal, Peters argumenta que o termo alma é um "marcador de lugar simbólico para identificar a dimensão de quem somos que se conecta com Deus." [32].
Isto é problemático à luz das Escrituras (veja Mateus 10:28 e Apocalipse 6:9 e 20:4). Entretanto, para seu crédito, ele conclui que o conceito cristão de alma não é em nada similar ao dos transumanistas, de padrões de atividade cerebral que podem ser levados para fora do corpo.
De acordo com Kurzweil, a imortalidade humana pode ser obtida por meio da transferência do homem para a máquina (NT: como em uma transferência de arquivos). Para demonstrar a impossibilidade do patternism, o filósofo Derek Parfit propôs uma inteligente experiência mental. [33]. A ideia é que você é um astronauta que está viajando em uma missão para um planeta distante por meio uma nova forma de teletransporte. Para realizar a viagem, os padrões do seu cérebro e seu tipo físico serão transferidos e enviados para o planeta para serem reconstruídos a partir de matéria criada precisamente por meio de um exame de varredura feito em você. Neste processo, seu corpo na Terra será destruído, mas isto não é problema, pois você logo em seguida existirá em um novo corpo. Deveríamos embarcar nesta viagem? No paradigma de Kurzweil, isto deve funcionar, mas na realidade não funciona. E isto não é tanto uma questão de metafísica como lógica: a Lei da Não-Contradição não permite isto.
Considere um cenário em que você não está destruído na Terra, porém a transferência dos arquivos foi bem-sucedida. Obviamente, a pessoa no outro planeta não é você. Como essa pessoa claramente não é você neste caso, segue-se que também não foi você quem foi destruído. Portanto, independente do quanto os transumanistas possam desejar que isso aconteça, a transferência não anulará a morte (Hebreus 9:27). Isto pertence a Cristo somente (Apocalipse 20:14).
Fantasias e imortalidade à parte, pode-se perguntar maravilhado o que exatamente Kurzweil quis dizer com "uma máquina ter uma experiência espiritual". Isto se torna mais esquisito, e é aqui que ocorre a interseção com o liberalismo teológico. No livro The Singularity is Near, ele expressa sua crença na necessidade de uma nova religião: "Um papel principal da religião tem sido o de explicar a morte, pois até aqui havia muito pouco construtivo que podíamos fazer a respeito dela." [34]
Ele declara que essa nova religião "manterá dois princípios: um da religião tradicional e um das artes e ciências seculares — da religião tradicional, o respeito pela consciência humana; do mundo secular, a importância do conhecimento." [35]. Isto não é diferente do humanismo laico tradicional. Portanto, precisamos perguntar: "Onde é que Deus se encaixa nesta nova religião?" Kurzweil ambiciosamente dá a solução: "Uma vez que saturarmos a matéria e energia no universo com inteligência, ele 'despertará', será consciente e sublimemente inteligente. Isto é estar o mais perto de Deus que posso imaginar."
Na verdade, isto soa estranhamente similar ao conceito panteísta do teólogo liberal Paul Tillich, de Deus como "o poder de tudo ser". [36]. Todavia, na mente de Kurzweil, o homem está envolvido na criação de Deus, o que é efetivamente a antítese de Gênesis 1:26. De fato, é exatamente o contrário: Deus criado à imagem do homem.
Em sua articulação original, Max More não escondeu o fato de querer substituir a religião convencional. Como Dawkings, ele vê a religião como uma ficção obscura e acredita que a ciência desacreditou a cosmovisão bíblica. Consequentemente, ele argumenta que o Transumanismo suplantará a religião tradicional. Ele se vangloria: "O crescimento do Humanismo nas últimas décadas iniciou esta obra, mas agora é hora de utilizar uma opção mais inclusiva e atraente de Transumanismo." [37].
O Humanismo Secular convencional se qualifica como uma cosmovisão no sentido que fornece um conjunto completo de ideias por meio das quais seus aderentes veem a realidade. Seguindo esta linha de raciocínio, ele também é uma religião, pois tenta responder ao mesmo conjunto de questões fundamentais sobre teologia, metafísica, identidade, origens, destino e moralidade que outras religiões. [38]. Na verdade, a Suprema Corte dos EUA já julgou no caso James J. Kaufman x Gary R. Mac-Caughtry que o Humanismo Secular é uma religião. [39]. À luz desse status, parece justo argumentar que o Transumanismo simplesmente define sua escatologia. Assim, é vitalmente importante observar o abjeto fracasso do Humanismo Laico até aqui. O progresso científico sem paralelos não produziu uma utopia secular; ao revés, levou a um pesadelo humano. O total mundial no século 20 é de 262 milhões de assassinatos pelos governos e, em grande parte, fora das guerras, na busca do ideal político do Marxismo dos humanistas secularizados. [40].
Desde a expressão inicial veementemente secular de More, a filosofia transumanista tem sido polida pelo filósofo Nick Bostrom, da Universidade de Oxford. Embora Bostrom negue que o Transumanismo seja uma religião, ele reconhece que "o Transumanismo poderá servir a algumas das mesmas funções que as pessoas tradicionalmente procuram na religião." [41]. Ele declara sucintamente que o Transumanismo é uma percepção naturalista, e em uma entonação decididamente superior diz que, "os transumanistas preferem derivar sua compreensão do mundo dos modos racionais de investigação, especialmente o método científico." [42]. Se alguém é cristão em qualquer sentido significativo, isto não é aceitável. Na verdade, temos aquilo que o mundo secular não tem: princípios infalíveis e atemporais revelados pelo próprio autor da vida (2 Timóteo 3:16). Entretanto, isto é mais do que uma questão de dar respostas curtas com textos de prova. O homem é a mais elevada criação de Deus na Terra e recebemos a ordem de sermos bons mordomos da Terra e de seus recursos, de defender e respeitar a vida humana, pois fomos criados de um modo muito singular. Assim, temos um mandado de utilizar algumas das tecnologias discutidas, mas com o cuidado explícito de que elas sejam direcionadas exclusivamente para o aspecto terapêutico da medicina.
O Transumanismo está encontrando algum suporte teológico no paradigma "cocriador criado" do teólogo Phillip Hefner, da Igreja Evangélica Luterana da América. Hefner tornou-se bastante conhecido nos círculos transumanistas, escrevendo artigos como The Created Co-Creator Meets Cyborg (O Cocriador Criado Encontra o Ciborgue) e The Animal That Aspires to Be an Angel: The Challenge of Transhumanism. (O Animal Que Aspira Ser um Anjo: O Desafio do Transumanismo). Epistemológica da ênfase exagerada da imanência de Deus no liberalismo teológico, a ideia dele assume que os seres humanos emergiram como agentes resolutos e livres de um processo evolucionário natural e que a natureza humana é moldada tanto pela herança genética quanto cultural. [43]. Finalmente, o homem é o instrumento de Deus para cumprir seus propósitos na criação. [44]. Essa construção teológica é articulada por ele da seguinte forma:
"Os seres humanos são cocriadores criados por Deus, cujo propósito é ser o agente, atuando em liberdade, para criar o futuro que seja mais salutar para a natureza que nos trouxe à vida — a natureza que não é apenas nossa própria herança genética, mas também toda a comunidade humana e a realidade evolucionária e ecológica em que e à qual pertencemos. Exercer esse papel de agente é a vontade de Deus para os humanos." (Hefner, 1993, 26).
Esta visão tem sido criticada por diminuir o excepcionalismo humano com sua aceitação da Evolução naturalista, ao mesmo tempo que presume elevar o ser humano ao mesmo nível de Deus. [45]. A teologia liberal de Hefner é derivada de sua visão reduzida da revelação especial. Além disso, Hefner interpreta o relato da criação no Gênesis como mitologia primordial, que usa símbolos e metáforas para o passado evolucionário do homem. [46]. Ele cita Tillich frequentemente em seu tratado sobre a queda. Por exemplo, "Antes do pecado ser um ato, ele é um estado." [47]. Esta é uma referência à ideia que não houve uma queda do homem real no espaço-tempo, mas a "queda" representa simbolicamente a tensão inevitável entre o ideal cultural e o instinto primordial que apareceu à medida que o homem evoluiu de sua origem mais simples. Na verdade, Hefner rejeita a compreensão bíblica tradicional, considerando-a obsoleta:
"Além disso, certas compreensões tradicionais estão seriamente desafiadas, incluindo a necessidade de rejeitar simplesmente algumas compreensões historicamente populares. As noções (1) do primeiro casal, (2) conceitos da Queda que insistem em algum ato primordial praticado pelos primeiros humanos e que alterou a natureza humana subsequente e (3) certas formas de interpretação etiológica estão entre os elementos que precisam ser vistos com grande ceticismo. (Hefner, 1993, 98).
Isto é altamente problemático, pois é claro nas Escrituras que Jesus afirmou a existência do primeiro casal (Mateus 19:4). Além disso, essa visão não se qualifica como Evolução teísta de um sentido cristão significativo. Como Millard Erickson expressou, "Com respeito aos dados bíblicos, a Evolução teísta frequentemente aceita um casal inicial real, Adão e Eva." [48]. Com relação à sua completa rejeição da historicidade do Gênesis, a visão de Hefner parece mais alinhada com a Evolução deísta. Para um teólogo que se diz evangélico, seu quase cientificismo é preocupante.
A principal fraqueza nesta linha de pensamento é que ele solapa totalmente a base para a mensagem do Evangelho. O apóstolo Paulo proclamou: "Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida." [Romanos 5:18].
Assim, segundo o pensamento de Paulo, a negação de um pecado original efetivamente nega a expiação pela cruz. Além disso, se o pecado é meramente uma memória vestigial, então a cura não pode ser uma restauração via santificação em Cristo. (Romanos 6:22). A cura para o pecado torna-se necessariamente a eliminação dos instintos animais que ainda restaram. Erickson argumenta: "Este conceito da cura pelo pecado adota a crença otimista que o processo evolucionário está levando a espécie humana na direção correta." [49]. Embora essa ideia seja lindamente consistente com o pensamento transumanista, Jesus ensinou que "muitos se escandalizarão, a iniquidade se multiplicará e o amor de muitos esfriará" no tempo quando a evangelização mundial estiver concluída (Mateus 24:10-14). Além disso, as Escrituras suportam o fato que o aumento da apostasia e da iniquidade ocorrerão (2 Tessalonicenses 2:3; 1 Timóteo 4:1-2; 2 Timóteo 4:3; 2 Pedro 3:3). Finalmente, considere que Jesus "não necessitava de que alguém testificasse do homem, porque ele bem sabia o que havia no homem." [João 2:25].
O fato de a teologia deles ser antitética às Escrituras não parece incomodar teólogos liberais, como Paul Tillich (figura à esquerda) e Philip Hefner. A adoção do Darwinismo e da Alta Crítica para interpretar o relato bíblico da Criação e julgar a inerrância das Escrituras torna a pessoa mais vulnerável às tendências pós-modernas mais recentes. Em seu artigo The Animal That Aspires to Be an Angel: The Challenge of Transhumanism, Hefner intencionalmente ofusca a distinção entre cura e aprimoramento, frequentemente tergiversa e confunde o Transumanismo com a medicina. Para seu crédito, ele adverte que embora tenhamos sido criados para forçar nossos limites, "não somos Deus, somos finitos e pecaminosos" [50]. Entretanto, é preciso ter em mente que a visão dele sobre o pecado não é uma visão cristã ortodoxa. Embora ele recomende cautela, isto efetivamente equivale a dar proteção às suas apostas. A proibição ao homicídio em Gênesis 9:6 está baseada no fato de a humanidade ter sido criada à imagem de Deus. Parece razoável, então, estender isto para incluir a alteração pós-humana. Mas, Hefner afirma que se opor ao Transumanismo com base na "imagem de Deus" impõe uma antropologia normativa não-garantida, afirmando que:
"Outros pensadores argumentam que existem qualidades invioláveis, principalmente qualidades humanas invioláveis e dignidade humana, que também são ameaçadas pela biotecnologia. A dificuldade com esse raciocínio é que ele impõe uma qualidade estática à natureza que não se conforma na verdade com aquilo que sabemos sobre o caráter dinâmico da natureza." (Hefner 2009, 166)
Parece que ele está argumentando que o mandato evolucionário supera a ideia que a dignidade humana seja fixa. Parece que ele vê o Transumanismo como o próximo passo inevitável na evolução humana, que o Transumanismo é uma consequência natural do status do homem como um cocriador com Deus. Em outras palavras, é uma Evolução deísta por meio da ação do homem como um agente. Em suas conclusões teológicas, ele escreve: "O Transumanismo não é, primeiro de tudo, uma questão de moralidade. Nossa existência como cocriadores criados que têm diante de si as possibilidades do Transumanismo é profundamente uma expressão da nossa natureza humana." [51].
Ele também afirma que "desacreditar nossa natureza dada por Deus é em si mesmo uma rebelião contra Deus." [52]. Em outras palavras, temos um mandato de Deus para o Transumanismo. Não é difícil ver por que o cocriador criado, de Hefner, é um pilar do pensamento dos assim chamados "Transumanistas cristãos".
Embora não tão sofisticado quanto Hefner, as páginas na Internet de Ledford também usam as obras de Tillich para justificar o Transumanismo Cristão. Especificamente, uma ideia que Tillich chamou de "doutrina profunda do humanismo transcendente", que é a ideia de Tillich que "Adão está cumprido em Cristo". [53]. Como Tillich explica, "isto significa que Cristo é o homem essencial, o homem que Adão deveria se tornar, mas na verdade não se tornou." [54].
Isto não está alinhando com a Cristologia ortodoxa, que coloca Cristo como a eterna segunda pessoa da trindade. É também logicamente incoerente, porque Adão foi criado por Cristo (João 1:3). A confiança de Ledford em Tillich não é surpreendente. A ênfase excessiva de Tillich na imanência de Deus tem sido criticada como equivalente ao panenteísmo, e parece preocupantemente similar com o conceito de Kurzweil. [55]. As páginas de Ledford na Internet parecem ser um sincretismo de misticismo de Nova Era, Cristianismo e ideologia transumanista. Exemplos notáveis incluem "O céu permite a Hiper-Evolução", e clichês como "Você não pode fazer nada errado quando o espírito do amor, o Espírito Santo, está com você." [56].
Ledford realmente não se esforça para ser coerente com as Escrituras, oferecendo platitudes como "O caminho para Deus é amplo, pois somos diferentes. Além disso, o caminho para Deus converge no chamado dele." [57]. Logicamente, isto está em contradição direta com o que Jesus disse: "Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela." [Mateus 7:13]. Ledford não é um teólogo e seu trabalho não oferece desafios para qualquer um que possua uma compreensão básica da doutrina cristã. Infelizmente, os buscadores menos sofisticados serão enganados por ele.
Quanto à questão "Pode um cristão ser um transumanista?" — isto revela uma condição de coração obstinado. O Transumanismo é menos um pecado do que é orgulho e arrogância. O Evangelical Dictionary of Theology faz a distinção que:
"Enquanto que arrogância significa a tentativa de transcender as limitações indicadas pelo destino, pecado refere-se a uma indisposição de romper nossas estreitas limitações em obediência à visão da fé. Embora a arrogância tenha a conotação de falta de moderação, o pecado consiste de um comprometimento errado. Arrogância é tentar ser super-humano; pecado é se tornar não-humano. Arrogância significa subir ao nível dos deuses; pecado significa tentar tirar Deus do lugar ou viver como se não houvesse Deus." (Bloesch 2001, 1104).
Com base nisto, o Transumanismo é arrogância na mais alta ordem, enquanto que se tornar pós-humano é um pecado. A "obediência à visão da fé" mencionada acima não é a de Tillich, ou de Hefner, mas a de Paulo. O apóstolo exortou assim os colossenses: "Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade." [Colossenses 3:12]. Tillich, Hefner e Ledford demonstram todos uma enorme incompreensão da condição humana. Os humanos são tanto finitos quanto pecaminosos. Não temos a sabedoria e a pureza moral necessárias para decidir as questões da "perfeição" humana. Os cristãos precisam assumir uma posição bem-informada sobre o Transumanismo, compreender tanto o uso apropriado da tecnologia e os perigos potenciais que ela apresenta. Assim, uma teologia de cura, oposta à de aprimoramento, precisa ser desenvolvida de acordo com sólidos princípios bíblicos.
O Transumanismo é uma nova religião anticristã que está em formação. O globalismo está levando o mundo a uma "tecnocracia", ou governo pelas elites. [58]. Quando o aprimoramento transumano se tornar amplamente disponível, e provavelmente se tornará em breve, somente a elite conseguirá pagar por ele. Isto criará um novo sistema de castas. Além disso, o potencial dentro dessas tecnologias para manipulação da mente abre as portas para o totalitarismo orwelliano. Francis Schaeffer e C. S. Lewis fizeram advertências prescientes à comunidade cristã que isto iria acontecer. Schaeffer escreveu, em 1976:
"Ao considerarmos a chegada de um governo autoritário e da elite, para preencher o vácuo deixado pela perda dos princípios cristãos, não podemos pensar com ingenuidade nos modelos de Stalin e Hitler. Precisamos pensar em um governo autoritário e manipulador. Os governos modernos têm formas de manipulação à sua disposição que o mundo nunca conheceu antes." (Schaeffer 1976, 228)
De fato eles têm. Uma grande fonte de financiamento para a pesquisa transumanista é a Fundação Nacional de Ciências [59] e as aplicações militares são terríveis. Já vemos essa tendência de manipulação da mídia controlada e da política cada vez mais globalista. Considerando a predição de Kurzweil que haverá redes de computadores fazendo interface com o cérebro humano por volta de 2029, o potencial para controle centralizado se torna mais perturbador. [Nota do Editor da FC: Esta tecnologia está em rápido desenvolvimento e exemplos dela poderão estar prontos antes de 2029.] Surpreendentemente, Ledford prediz que "o Anticristo provavelmente emergirá, mas da mesma forma Cristo. Isto se torna um sinal que o Transumanismo Cristão é o caminho." [60].
Embora eu discorde da última frase, pode haver alguma verdade na primeira.

Conclusão

Na arena pública, está se tornando cada vez mais difícil obter espaço para expor os valores cristãos e, ao mesmo tempo, permanecer fiel às Escrituras. Não estamos convencendo o público sobre o aborto, e o presidente americano Barack Obama emitiu recentemente uma ordem executiva que expandiu a pesquisa com células-tronco embrionárias. Embora essas questões estejam sendo examinadas pelos tribunais, existem inúmeras tecnologias ainda mais perturbadoras que são em grande parte desconhecidas do grande público. A história da ciência não é silenciosa em um ponto: o Transumanismo não esperará que os cristãos acordem e vejam o que está acontecendo. Embora tenhamos o dever de nos educarmos para tratar questões altamente técnicas com os princípios das Escrituras, é duvidoso que muito possa ser feito além de orar seriamente sobre o assunto. Historicamente, o complexo militar-industrial nunca foi transparente a respeito de seus projetos. Além disso, não há nada que impeça cientistas ambiciosos de simplesmente se mudarem para países como a China, para trabalharem em suas ideias mais controversas. Isto vai acontecer. Embora muitos não quererão participar, os cristãos devem assumir uma posição firme contra o aprimoramento. O Transumanismo será uma questão que trará divisões.
Este trabalho de pesquisa ofereceu um resumo rápido do tópico e uma ampla investigação sobre as tecnologias envolvidas. Isto foi seguido pela análise crítica do pensamento transumanista e suas implicações para a teologia. Foi demonstrado que os fundamentos filosóficos são ateístas e estão em oposição ao Cristianismo. Além disso, a esperança transumanista de imortalidade via transferência para computadores foi revelada como uma incoerência lógica. Atenção especial foi dada àqueles que tentam reconciliar o Cristianismo com as ideias transumanistas. A crítica mostrou que a teologia está baseada em uma antropologia naturalista, negação do pecado original, negação do relato bíblico da Criação e uma ênfase exagerada na imanência de Deus.
No fim, precisamos confiar que o Senhor tratará a extrema arrogância e a pecaminosidade do coração humano. Nada temos a temer. Afinal, já sabemos como será o fim de tudo. (Apocalipse 21-22).

Notas Finais:

1. Max More, "Transhumanism Towards a Futurist Philosophy", MaxMore.com, 1990, http://www.maxmore.com/transhum.htm (página visitada em 8/12/2010).
2. Christopher Hook, "Transhumainism and Posthumanism"., Encyclopedia of Bioethics, Stephen G. Post (Nova York: MacMillan, 2007), 2519.
3. Carl Teichrib, "O Aparecimento dos Tecno-Deuses: A Fusão do Transumanismo com a Espiritualidade", tecnodeuses-1.htm, pág. 2.
4. James Ledford, Christian Transhumanism, http://www.hyper-evolution.com/Christian%20Transhumanism.pdf.
5. Dialog: A Journal of Theology, 44, 4 (Winter 2005).
6. Thomas Horn, "An Open Letter to Christian Leaders on Biotechnology and the Future of Man", http://www.raidersnewsupdate.com/leadstory94.htm (página visitada em 16/12/2010).
7. Francis J. Beckwith, "What Does It Mean To Be Human?", Christian Research Journal, 26, 3 (2003).
8. Michael McKenzie, "Genetics and Christianity: An Uneasy but Necessary Partnership", Christian Research Journal, 18, 2 (1995).
9. McKenzie, "Genetics", 2. 10. Human Genome Project Information, "Gene Therapy", http://www.ornl.gov/sci/techresources/Human_Genome/medicine/genetherapy.shtml.
11. Teichrib, "O Aparecimento dos Tecno-Deuses", pág. 3.
12. McKenzie, "Genetics", 2. 13. McKenzie, "Genetics", 2.
14. Richard Dawkins "Afterword" In What Is Your Dangerous Idea?, John Brockman, 297-301. (Nova York: Harper Perennial, 2007), 300.
15. Francis Fukuyama, Our Posthuman Future. (Nova York: Picador, 2002), 7.
16. Jim Leffel, "Engineering Life: Human Rights in a Postmodern Age".
17. Claudia Joseph, "Now scientists create a sheep that's 15% human", Daily Mail UK Online, março de 2007, http://www.dailymail.co.uk/news/article-444436/Now-scientists-create-sheep-thats-15-human.html (página visitada em 12/12/2010).
18. Fukuyama, Our Posthuman, 43.
19. Nick Bostrom, The Transhumanist FAQ Version 2.1. (Oxford: World Transhumanist Association, 2003), pág. 5.
20. Ray Kurzweil, The Singularity Is Near: When Humans Transcend Biology. (Nova York: Viking Penguin, 2005), pág. 25.
21. Richard Andersen, "Selecting the Signals for a Brain-Machine Interface". Current Opinion in Neurobiology, 14 (2004), pág. 1.
22. Mike Yamamoto, "Gaming by Brainwaves Alone", Cnet News, 1/3/2007, http://news.cnet.com/8301-17938_105-9692846-1.htm.
23. "Ray Kurzweil Bio", Kurzweil Accelerating Intelligence, http://www.kurzweilai.net/ray-kurzweil-bio (página visitada em 14/12/2010).
24. Ray Kurzweil, The Age of Spiritual Machines: When Computers Exceed Human Intelligence, (Nova York: Viking Penguin, 1999), pág. 89.
25. Kurzweil, The Age, pág. 62. 26. Kurzweil, The Age, pág. 163. 27. Kurzweil, The Age, pág. 163. 28. Kurzweil, The Age, pág. 212. 29. Hook, "Transhumanism", pág. 2517. 30. Kurzweil, The Singularity, pág. 282.
31. Ted Peters, "The Soul of Transhumanism", Dialog: A Journal of Theology, 44, no. 4, (Winter 2005): 385.
32. Peters, "The Soul", pág. 393.
33. Derek Parfit, "Divided Minds and the Nature of Persons.", Mindwaves (1987), págs. 19-28.
34. Kurzweil, The Singularity, pág. 275. 35. Kurzweil, The Singularity, pág. 275.
36. Millard J. Erickson, The Concise Dictionary of Christian Theology, Rev. ed., 1st Crossway ed. (Wheaton, Ill.: Crossway Books, 2001), pág. 201.
37. More, "Transhumanism."
38. Norman L. Geisler & Frank Turek, I Don't Have Enough Faith to Be an Atheist (Wheaton, IL: Crossway Books, 2004), pág. 20.
39. David Nobel, "Secular Humanism". The Popular Encyclopedia of Apologetics, Ed Hindson, págs. 443-446. (Eugene OR: Harvest House, 2008), pág. 444.
40. R. J. Rummel, 20th Century Democide, Freedom, Democracy, Peace; Power, Democide, and War, http://www.hawaii.edu/powerkills/20TH.HTM (página visitada em 26/10/2010).
41. Bostrom, The Transhumanist FAQ, pág. 46. 42. Bostrom, The Transhumanist FAQ, pág. 46.
43. Millard J. Erickson, Christian Theology, 2nd ed. (Grand Rapids, Mich.: Baker Book House, 1998), pág. 501.
44. Hefner, The Human Factor: Evolution, Culture and Religion,(Minneapolis: Fortress Press, 1993), pág. 32.
45. Hubert Meisinger, "Created Co-Creator", Encyclopedia of Science and Religion, (Macmillan-Thomson Gale, eNotes.com. 2006), http://www.enotes.com/science-religion-encyclopedia/created-co-creator.
46. Philip Hefner, "Biological Perspectives On Fall And Original Sin", Zygon, 28, 1 (March 1993), pág. 77.
47. Paul Tillich, The Shaking of the Foundations. (Nova York: Charles Scnbner's Sons 1948), pág. 155, citado por Hefner em "Biological Perspectives", pág. 92.
48. Erickson, Christian Theology, pág. 505. 49. Erickson, Christian Theology, pág. 616. 50. Hefner, "The Animal", pág. 166. 51. Hefner, "The Animal", pág. 166. 52. Hefner, "The Animal", pág. 166. 53. James Ledford. Christian Transhumanism. (Hyper-Evolution.com. 2005), págs. 164-165, http://www.hyper-evolution.com/Christian%20Transhumanism.pdf.
54. Paul Tillich, A History of Christian Thought From Its Judaic and Hellenistic Origins to Existentialism, (New York: Harper and Row Publishers, 1967), 45.
55. Erickson, Christian Theology, pág. 333. 56. Ledford, Christian Transhumanism, pág. 29. 57. Ledford, Christian Transhumanism, pág. 58. 58. Teichrib, "O Aparecimento", pág. 14. 59. Hook, "Transhumainism", 2518. 60. Ledford, Christian Transhumanism, 51.

As 4 fases do Projeto Blue Beam